ONU: situação em campo de refugiados palestinos em Damasco é "além de desumana"

Geral

ONU: situação em campo de refugiados palestinos em Damasco é "além de desumana"

Redação Folha Vitória

Beirute, Líbano - Bombardeios e confrontos esporádicos foram registrados num campo de refugiados palestinos de Yarmouk na capital síria nesta segunda-feira. A situação no local, que está sob ataque de extremistas islâmicos, foi descrita por Chris Gunness, funcionário da Organização das Nações Unidas (ONU), como "além de desumana".

Hatem al-Dimashqi, ativista da região, que fica ao sul da Damasco, disse que o campo de Yarmouk estava sob ataque nesta segunda-feira. Tanto Al-Dimashqi como o grupo Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres, informaram que desde domingo a Força Aérea do governo sírio tem lançado várias bombas de barril no campo.

Militantes do Estado Islâmico invadiram o local na quarta-feira, no que representa a mais profunda incursão do grupo na capital síria. Autoridades palestinas e ativistas sírios disseram que os extremistas se uniram a um grupo rival, afiliado à Al-Qaeda, a Frente Nusra, nas ações no local. Os dois grupos travaram violentos confrontos em outras partes do país, mas parecem estar cooperando no ataque a Yarmouk.

Em comunicado, a Frente Nusra informou que tem posição neura no campo de refugiados.

Gunness, porta-voz da agência da ONU que apoia os refugiados palestinos, a UNRWA, disse à Associated Press em Barcelona, na noite de domingo, que a agência não tem conseguido enviar alimentos ou comboios para o campo desde o início dos confrontos.

"Isso significa que não há comida, não há água e há poucos medicamentos", disse ele. "A situação no campo é além de desumana. As pessoas estão presas em suas casas, há confrontos nas ruas. Há relatos de...bombardeios. Isso tem de parar e o civis devem ser retirados."

Ele disse que 93 pessoas haviam sido retiradas do local.

A ONU diz que cerca de 18 mil civis, dentre eles uma grande quantidade de crianças, não pode sair de Yarmouk. O campo está sob cerco do governo há quase dois anos, o que leva à fome e à proliferação de doenças. Fonte: Associated Press.