Pró-reitora da Ufes explica como será o novo processo de vestibular

Geral

Pró-reitora da Ufes explica como será o novo processo de vestibular

O novo modelo do vestibular já começa a valer em 2017, e utilizará a nota alcançada pelo candidato na prova do Enem deste ano. Estudantes se manifestaram contra a proposta

A pró-reitora de graduação da Ufes foi a entrevistada desta quinta-feira no Fala Manhã Foto: TV Vitória

A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) aderiu na noite da última quarta-feira (27) ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu). É um modelo do Governo Federal no qual o aluno entra no ensino superior dependendo do seu desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O novo modelo do vestibular já começa a valer em 2017, e utilizará a nota alcançada pelo candidato na prova do Enem deste ano. Com a adesão ao Sisu, o aluno poderá ingressar nos cursos da Ufes, e com a mesma nota poderá também solicitar o ingresso em outras universidades que aderiram ao sistema. Ao todo, 60 universidades do país já aderiram ao sistema.

A pró-reitora de graduação da Ufes, Maria Auxiliadora Corassa, detalhou como será o procedimento para o novo modelo de seleção. Além disso, ela tirou dúvidas dos estudantes durante uma entrevista, na manhã desta quinta-feira (28), ao programa Fala Manhã da TV Vitória/Rede Record. Confira:

- Demora na adesão desse processo: “Depende muito do local, do momento, mas nós já vínhamos conversando sobre isso há pelo menos três, quatro anos. Nós aderimos parcialmente nos nossos vestibulares de inverno para os campi do norte e do sul do Estado desde 2013. Foi feita uma discussão em 2014, que foi retomada agora”. 

Estudantes protestaram em frente ao prédio da reitoria da Ufes contra a adesão ao Sisu  Foto: Francine Leite/TV Vitória

- Opinião dos alunos: “Houve para isso a realização de uma audiência pública, que aconteceu no dia 16 de março deste ano e os alunos foram ouvidos”. 

- Funcionamento: “Todo o trâmite do processo seletivo será vinculado ao MEC, no Sisu. Então, vale a nota do Enem, que nós já estávamos utilizando como primeira etapa do vestibular. Agora, as pessoas vão se inscrever diretamente no site do MEC seguindo o cronograma que será divulgado por eles, como já ocorre. As pessoas devem ficar atentas, pois é o Enem desse ano que será usado para o processo seletivo de 2017”. 

- Inscrições: “As inscrições acontecem a partir do dia 9 de maio. Ocorrerá também uma prova, neste sábado (30), a título de treinamento. Outras simulações também estão previstas pelo MEC. É preciso que as pessoas fiquem atentas. Mesmo antes, nós já usávamos o Enem como primeira etapa. O que acabou foi a segunda etapa, que era a redação e as questões discursivas”.

- Estudantes de outros estados: “O próprio Governo Federal contratou um estudo, que foi coordenado pela Universidade Federal do Ceará, que mostrou que a flutuação de pessoas de outros estados gira em torno de 5% através do Sisu. Em 2014 trouxemos um professor para falar sobre como foi esse processo de pesquisa no Brasil inteiro. Como estamos entrando agora, a gente não tem como fazer esse dimensionamento ainda”. 

A Ufes usará o Sisu no vestibular Foto: Divulgação

- Notas para cada área: “As pessoas fazem no Enem cinco avaliações, a redação e mais quatro áreas. Essas provas podem ter pesos diferentes e notas mínimas diferenciadas, de acordo com cada curso dentro da instituição. Tudo depende do seu curso. Isso foi facultado desde o início do processo, no momento da implantação pelo MEC. Há como colocar pesos diferenciados e notas mínimas”.

- Adesão do sistema: “A adesão se dá por conta do conselho. Isso amplia o acesso. Quando a gente fala em inclusão, em democratização de acesso, isso amplia muito mais. Isso facilitaria, porque as pessoas não têm que se deslocar para fazer a prova, mesmo as que moram no Espírito Santo. Nem todos moram na capital e se acontece alguma coisa e a pessoa não consegue chegar a tempo para a prova, nós não temos como adiar. Ela perde o estudo do ano inteiro, perde a oportunidade e adia-se um sonho por um ano. Isso facilitaria, além do custo que a pessoa não vai ter mais. Ela vai pagar apenas a taxa do Enem”.

- Sistema de cotas: “Queremos tranquilizar as pessoas, pois há uma lei federal do final de 2012. Quando nós aderimos foi integralmente, pois a proposta é de 50% de vagas. Isso permanece, não vamos retroagir, vamos manter”. 

 Na última quarta-feira (27), quase 100 estudantes se manifestaram contra o modelo do Sisu. Eles ocuparam duas entradas da reitoria. Queriam se reunir com o reitor Reinaldo Centoducatte, mas o pedido foi negado e a reunião transcorreu a portas trancadas.