Crianças infectadas por surto de diarreia só poderão voltar às aulas no dia 28 de abril

Geral

Crianças infectadas por surto de diarreia só poderão voltar às aulas no dia 28 de abril

A recomendação é das secretarias de Saúde de Vila Velha e do Espírito Santo e do Ministério da Saúde, que divulgaram uma nota conjunta nesta segunda-feira

Foto: TV Vitória
Creche Praia Baby, na Praia da Costa, está interditada desde o dia 29 de março

As secretarias de Saúde de Vila Velha e do Espírito Santo e o Ministério da Saúde recomendaram que as crianças infectadas pelo surto de diarreia ocorrido na creche Praia Baby, na Praia da Costa, em Vila Velha, retornem as aulas somente a partir do dia 28 de abril. Antes desse prazo, segundo nota informativa conjunta, divulgada pelos três órgãos nesta segunda-feira (08), não é recomendável que essas crianças sejam matriculadas em outras creches.

Ainda de acordo com nota, o prazo estipulado para as crianças retomarem os estudos levou em consideração o período máximo de incubação, de 15 dias, além do período máximo de transmissibilidade, também de 15 dias. 

Os órgãos, no entanto, não especificaram se a unidade de ensino, interditada desde o dia 29 de março, poderá retomar suas atividades. A creche Praia Baby, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que não se manifestará sobre o assunto por enquanto.

Leia também:

- Com creche interditada, pais de alunos afirmam que filhos estão sendo discriminados

- Pais colocam faixa em creche em protesto à discriminação: "Nossos filhos são fortes e saudáveis"

A nota divulgada nesta segunda traz ainda os principais questionamentos a respeito do surto de gastroenterite aguda e suas respectivas respostas, além de orientações para situações desse tipo. Até o momento, 22 pessoas apresentaram sintomas, entre alunos e funcionários da creche particular, e um menino de 2 anos morreu.

Confira a nota na íntegra:

NOTA INFORMATIVA CONJUNTA SOBRE O SURTO DE GASTROENTERITE AGUDA COM CASOS DE SÍNDROME HEMOLÍTICO-URÊMICA.

1- JUSTIFICATIVA

Frente à ocorrência de alguns casos de diarreia que evoluíram para Síndrome Hemolítico-urêmica (SHU) e um óbito, em crianças residentes de Vila Velha que neste período frequentaram um quiosque localizado na orla e que estudam em uma unidade de ensino particular no mesmo município, foi necessário deflagrar uma investigação epidemiológica nos estabelecimentos citados, com o objetivo de identificar os possíveis fatores de risco, a fonte de transmissão, caracterizar o surto e direcionar as medidas de prevenção e controle para impedir a ocorrência e propagação de novos casos.

A investigação tem demonstrado vínculo epidemiológico entre crianças sintomáticas e o ambiente da unidade de ensino particular. Exames laboratoriais demostraram indícios da presença do mesmo agente etiológico em amostras de água coletadas no ambiente escolar e amostras de fezes de crianças sintomáticas. Assim que os primeiros resultados laboratoriais foram liberados a interdição da creche tornou-se necessária, visando a continuidade da investigação para confirmar a fonte de transmissão do patógeno e realizar as adequações necessárias a reabertura do estabelecimento.

Os resultados laboratoriais demonstram que as amostras de água, alimentos e instrumentos coletados no quiosque, não havia presença de agentes patogênicos capazes de causar adoecimento. Além disso, não foram identificados outros casos relacionados com o quiosque.

Diante de um evento grave e raro como este, considerando que três crianças necessitaram de Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrica (UTIP), duas delas necessitando de diálise peritoneal e uma evoluindo a óbito, a Secretaria Municipal de Saúde fez contato com a Secretaria Estadual de Saúde, consultou infectologista e solicitou apoio do Ministério da Saúde quanto a investigação e acompanhamento do evento que é de relevância para a saúde pública.

2- PERGUNTAS E RESPOSTAS

O que caracteriza um surto?

Número elevado de casos de uma doença ou agravo, acima do esperado em um determinado lugar e período de tempo com vínculo epidemiológico.

Todas as Gastroenterites Agudas (GEA) são iguais?

Não. As GEAs podem ser causadas por diferentes microrganismos infecciosos (bactérias, vírus e outros parasitas, como os protozoários). A depender do agente causador da doença e das características individuais dos pacientes, elas podem evoluir clinicamente para quadros de gravidade variável, incluindo a ocorrência de SHU.

O que é SHU?

A Síndrome Hemolítico-urêmica (SHU) é uma doença grave, observada mais frequentemente em crianças de pouca idade (menores de 5 anos), e se caracteriza por anemia hemolítica microangiopática, trombocitopenia e insuficiência renal aguda. Em muitos casos, a SHU é precedida de doença febril, com gastroenterite, sendo a diarreia, geralmente, sanguinolenta. A principal manifestação clínica é a insuficiência renal que afeta a maioria dos pacientes, acompanhada de palidez, hematomas e petéquias. A hipertensão arterial e manifestações neurológicas como irritabilidade, letargia, convulsões, coma, apresentam-se em 25% dos afetados. Alterações em outros órgãos como pâncreas e coração, têm sido descritas na literatura com importante frequência.

Quais cuidados devem ser tomados pelos pais de crianças assintomáticas, que estudam na creche e que neste momento estão em casa?

Orientamos que as crianças e familiares sejam observados por um período de 40 dias quanto ao surgimento de diarreia e sintomas de febre, palidez, fraqueza, inchaço, alterações do aspecto da urina ou parada de urina. Devem ser intensificadas as medidas de higiene como a lavagem de mãos, cuidados com manipulação dos alimentos e higienização das crianças, entre outras descritas no decorrer na nota.

Quais orientações devem ser dadas aos pais que tem filhos sintomáticos e que a princípio não receberam orientação médica para internação?

Comunicar a ocorrência do caso de diarreia a Vigilância Epidemiológica municipal através do tel: 3388-4185 ou 3388-4186. Caso surja diarreia mucossanguinolenta, palidez, vômitos, fraqueza, inchaço e diminuição ou parada de diurese deve ser encaminhada para avaliação em unidade hospitalar. As crianças e seus contactantes (pessoas com vínculo epidemiológico com casos) que apresentam diarreia e não foram internadas precisam ser acompanhadas por profissional da saúde a cada 48 horas para exame físico e identificação de possíveis sinais de desidratação. Recomenda-se que recebam hidratação oral e tenham a diurese monitorada; devem ser coletadas amostras de fezes para exames específicos. Evitar uso de antiespasmódicos (Buscopan, etc) e antiperistálticos (Imosec, etc) e Antibiótico empírico não está recomendado.

Quais exames devem ser solicitados, caso os pais levem seus filhos sintomáticos leves e assintomáticos para uma investigação junto ao serviço de saúde?

Recomenda-se a realização de Coprocultura (indispensável para os sintomáticos), hemograma e função renal (creatinina e ureia).

Crianças que estudam na creche de ocorrência do surto, assintomáticas e sintomáticas podem ser matriculadas em outras creches?

No momento não. Considerando a gravidade desta doença, o período máximo de incubação de quinze dias e o período máximo de transmissibilidade de quinze dias, as autoridades de Saúde do Município, do Estado e do Ministério da Saúde recomendam que o retorno às aulas ocorra a partir do dia vinte e oito de abril de 2019.

3- ORIENTAÇÕES PARA SITUAÇÕES DE SURTO DE GASTROENTERITE:

Como prevenir a GEA?

1) Lave as mãos toda a vez que usar o banheiro, antes e depois de amamentar, trocar fraldas ou cuidar de doentes, antes de preparar ou ingerir alimentos, sempre que voltar da rua, após utilizar transporte público, após contato com terra e após contato com animais ou com o meio ambiente onde eles vivem.

2) Mantenha a higiene na cozinha. Ao preparar alimentos, não misture alimentos já cozidos ou desinfetados com aqueles ainda em preparação - evite a contaminação cruzada. Lave bem as mãos, as superfícies da pia e utensílios e os ingredientes a cada nova preparação. Cuidado com o contato das mãos com o lixo.

3) Proteja os alimentos e as áreas da cozinha contra insetos, animais de estimação e outros animais (guarde os alimentos em recipientes fechados).

4) Cozinhe, frite ou asse sempre muito bem os alimentos, de forma que o calor atinja também o interior do alimento. Evite a ingestão de carnes malpassada e alimentos cujas condições higiênicas, de preparo e acondicionamento, sejam precárias.

5) Alimentos que serão consumidos crus (verduras, legumes e frutas) devem ser bem lavados e desinfetados com hipoclorito de sódio a 2,5% (15 gotas para cada litro de água, por 30 minutos).

6) Evite a ingestão de leite e derivados não pasteurizados ou não fervidos.

7) Nos locais com surtos de diarreia, evite nadar em lagos, piscinas, rios ou outras coleções hídricas.

4- RECOMENDAÇÃO ADOTADA PELOS TRÊS ENTES FEDERADOS: MUNICÍPIO, ESTADO E MINISTÉRIO DA SAÚDE FRENTE AO SURTO DE DIARREIA

Considerando a gravidade desta doença, o período máximo de incubação de quinze dias e o período máximo de transmissibilidade de quinze dias, as autoridades de Saúde do Município, do Estado e do Ministério da Saúde recomendam que o retorno às aulas dessas crianças ocorra a partir do dia vinte e oito de abril de 2019.

Outrossim informa que o processo investigativo do estabelecimento particular é complexo e que demandará o tempo necessário à elucidação dos fatos, para que episódios da espécie não venham a se repetir.

A presente Nota foi elaborada por técnicos da Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria de Estado da Saúde e do Ministério da Saúde, com a contribuição da Sociedade Brasileira de Nefrologia e da Sociedade de Brasileira de Infectologia.

Secretaria Municipal de Saúde de Vila Velha

Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo

Ministério da Saúde