Promotorias em RO recomendam suspensão das licenças da MetalMig em Machadinho

Geral

Promotorias em RO recomendam suspensão das licenças da MetalMig em Machadinho

Mais de cem famílias estão isoladas no distrito, na cidade de Machadinho D'oeste, desde a última sexta-feira, 29, após o rompimento de barragem da mineradora MetalMig.

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução / Record TV Minas

Os Ministérios Públicos Estadual e Federal em Rondônia expediram recomendação em conjunto à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) para que suspenda, imediatamente, a licença de operação da Metalmig, bem como determine que a empresa deixe de lançar rejeitos ou praticar atividades que possam incrementar o risco das barragens e quaisquer outras estruturas que estejam localizadas no município de Machadinho do Oeste.

A decisão segue até que sejam realizadas e concluídas análises vistorias e perícias pelos órgãos ambientais competentes e agências reguladoras fiscalizatórias no local do rompimento da barragem, no distrito de Oriente Novo.

Mais de cem famílias estão isoladas no distrito, na cidade de Machadinho D'oeste, desde a última sexta-feira, 29, após o rompimento de barragem da mineradora MetalMig.

As barragens são de rejeitos da extração de cassiterita, minério utilizado na fabricação do estanho. Elas estavam desativadas havia mais de 30 anos e não suportaram a grande quantidade de chuvas nos últimos dias na região.

Não houve vítimas com o rompimento, mas foi registrada a destruição de várias pontes e bueiros na localidade e adjacências, além de danos ambientais e patrimoniais. Segundo a Defesa Civil, será necessário um estudo mais detalhado para avaliar o real impacto causado.

Os órgãos recomendam, ainda, que a Sedam somente autorize o retorno das atividades nas barragens de mineração da Metalmig em Machadinho D'Oeste após a apresentação de todos os laudos periciais feitos pelos órgãos ambientais estaduais e federais competentes e agências reguladoras, tais como a Agência Nacional de Mineração (ANM), que demonstrem que estas não oferecem risco de rompimento ou de qualquer outro risco ao meio ambiente, à vida e a saúde dos moradores daquela região.

Recomendam também que a Sedam realize fiscalizações, no mínimo bimestrais, objetivando aferir se as recomendações, determinações legais, orientações e notificações estão sendo cumpridas pela empresa.

A recomendação, assinada pelas promotoras de Justiça Marlúcia Chianca de Morais, da Comarca de Machadinho do Oeste e Aidee Moser Torquato Luiz, da Comarca de Porto Velho, e pela procuradora da República Gisele Dias de Oliveira Bleggi Cunha, faz parte do Inquérito Civil Público nº 073/2019, instaurado pela Promotoria de Justiça de Machadinho do Oeste, para apurar as causas e os danos ambientais provocados pelo rompimento de uma das barragens de rejeitos de mineração, bem como de reservatórios e represas pertencentes a Metalmig Mineração e Indústria e Comércio Ltda.

A não observância da recomendação poderá acarretar a responsabilização criminal, administrativa e civil, além de responder por ato de improbidade administrativa dos agentes públicos incumbidos de zelar pelo patrimônio público e princípios da administração pública. Procurada, a assessoria da MetalMig não atendeu as ligações.

Clique aqui