Destino da Itália não está nas mãos do mercado financeiro, diz Juncker, da UE

Geral

Destino da Itália não está nas mãos do mercado financeiro, diz Juncker, da UE

Redação Folha Vitória

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou em comunicado que o destino da Itália "não está nas mãos dos mercados financeiros". Segundo ele, independentemente do partido político que esteja no poder, o país é um membro fundador da União Europeia, que "tem contribuído imensamente para a integração europeia".

Na nota, Juncker disse estar convencido de que o país continuará em sua rota no continente. "A Comissão está pronta para trabalhar com a Itália com total responsabilidade e respeito mútuo. A Itália merece respeito", reforçou.

A nota é divulgada em meio a difíceis negociações políticas na Itália para a formação do próximo governo. O presidente italiano, Sergio Mattarella, barrou uma administração liderada pelo Movimento 5 Estrelas e pela Liga, considerados populistas pelos investidores. Depois disso, Mattarella pediu que um ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Carlo Cottarelli, tente formar governo. A avaliação de muitos, porém, é que não deve ser solucionado o impasse, o que abriria caminho para eleições antecipadas.

Nesse contexto, a Liga afirmou que havia uma pressão dos mercados financeiros para impedir esse governo. Além disso, o comissário europeu para Energia, Günther Oettinger, afirmou mais cedo que nas próximas semanas os mercados e a economia italiana seriam atingidos, o que poderia enviar um sinal para que os eleitores do país não escolham "populistas da direita ou da esquerda". A declaração levou a pedidos na Itália pela saída de Oettinger do posto na UE.