Cachorros invadem campus da Ufes em Vitória e atacam mais de 10 pessoas em 15 dias

Geral

Cachorros invadem campus da Ufes em Vitória e atacam mais de 10 pessoas em 15 dias

Segundo a Ufes, em todos os casos de ataques, as vítimas receberam atendimentos e foram encaminhadas a unidades de saúde para serem vacinadas

Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)

Quem passa pelo campus de Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória, têm sido alvos de ataques de cachorros que circulam pelo espaço nos últimos dias. De acordo com a universidade, os animais já atacaram 11 pessoas nos últimos 15 dias e, em todos os casos, as vítimas receberam os primeiros atendimentos e foram encaminhadas a unidades de saúde do município para serem vacinadas.

Segundo a Ufes, a Prefeitura Universitária já identificou a presença de três animais no local. Desde então, profissionais do CVSA estiveram no campus para identificar os hábitos e trilhas dos cães no campus, bem como os locais utilizados como abrigo. Nesta segunda-feira (11), uma ação foi realizada, para capturar os animais, castrá-los, vaciná-los e, em parceria com entidades ligadas à proteção animal, encaminhá-los para abrigos e disponibilizá-los para adoção.

“A existência desses cães na Ufes se dá por meio de ações de pessoas que visitam o nosso campus nos finais de semana e abandonam animais aqui, sem se preocuparem com as consequências advindas de tal atitude. Ocorre, também, pela procriação natural e pela migração de animais de bairros adjacentes para as dependências da nossa Universidade, que se mostra atrativa pelo fácil acesso à alimentação, que é oferecida por pessoas que aqui transitam diariamente. Esta ação contribui com a permanência desses animais no campus, além de atrair outros”, afirma o prefeito universitário, Renato Schwab.

Atendimento

Nos últimos 15 dias, 11 pessoas foram atendidas pelo Departamento de Atenção a Saúde (DAS) da Ufes após serem atacadas por cachorros no campus de Goiabeiras. Em todos os casos, as pessoas receberam os primeiros atendimentos e foram encaminhadas a unidades de saúde do município para serem vacinadas.

A Prefeitura Universitária orienta os membros da comunidade universitária e visitantes que, ao avistarem os cachorros, afastem-se deles e evitem ações ou movimentos que possam provocá-los. A presença desses animais também pode ser comunicada à Vigilância Universitária por meio do ramal 2727 ou pelo Aplicativo Alerta Ufes, que poderá ser baixado gratuitamente por meio da Play Store.

Soluções

Segundo a universidade, ações conjuntas, por meio da Prefeitura Universitária, e a Prefeitura de Vitória (PMV), por meio do Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA), estão sendo realizadas com o objetivo de adotar medidas adequadas e efetivas para solucionar o problema dos ataques.

De acordo com a Ufes, desde 2014 a universidade busca soluções para a questão de animais que são abandonados ou que invadem os campi da Universidade – em especial o campus de Goiabeiras – por meio de um acordo de cooperação técnica entre a Universidade, a Prefeitura de Vitória e a Sociedade Protetora dos Animais do Espírito Santo (Sopaes).

Na época, o veterinário e professor do Departamento de Medicina Veterinária do Centro de Ciências Agrárias (CCA), Douglas Severo, afirmou que é muito difícil evitar a circulação de animais nos campi universitários, mas é possível controlar a população por meio de ações integradas.

Em 2017, com o apoio da Polícia Ambiental, uma ação foi realizada no campus de Goiabeiras, onde oito cães estavam habitando nas imediações do Restaurante Universitário. Na ocasião, animais foram capturados e levados ao CVSA para castração e vacinação e, posteriormente, encaminhados para abrigos especializados.

Outra ação paralela que tem o objetivo de coibir o abandono de animais. Por meio do sistema de videomonitoramento do campus é possível flagrar e identificar pessoas que abandonam animais no local.

Crime

O artigo 164 do Código Penal prevê o crime de abandono de animais para aqueles que introduzirem ou deixarem animais em propriedade alheia, sem consentimento de quem de direito, desde que o fato resulte prejuízo. A pena prevista é de detenção de 15 dias a seis meses, ou multa.