Líder do PRB pede convocação do ministro para explicar calote ao Parlasul

Geral

Líder do PRB pede convocação do ministro para explicar calote ao Parlasul

Redação Folha Vitória

Integrante da base aliada, o líder do PRB na Câmara, deputado Celso Russomano (SP), apresentou nessa terça-feira , 12, requerimento pedindo a convocação do ministro do Planejamento, Esteves Colnago. Ele quer que o ministro explique calote do governo brasileiro ao Parlasul (Parlamento do Mercosul). Pelos cálculos do parlamentar - confirmados pelo Ministério -, o Brasil deve US$ 2.069.218,80 ao organismo internacional.

O Parlasul é um órgão unicameral de jurisdição regional com sede em Montevidéu, no Uruguai. Ele foi criado em 6 de dezembro de 2006 como um fórum legislativo destinado a acolher e debater propostas, moderando soluções sobre contenciosos que envolvam interesses dos cidadãos dos países que compõem o bloco econômico (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai). O colegiado é composto atualmente por 106 parlamentares.

"Requeiro (...) que, ouvido o plenário, se digne adotar as providências necessárias à convocação do ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Sr. Esteves Pedro Colnago Junior, para comparecer ao plenário da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul a fim de prestar esclarecimentos a esta comissão sobre a regularização de aporte financeiro no Parlamento do Mercosul", diz o requerimento. Se aprovado, Colnago será obrigado a comparecer à Câmara.

Ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Russomano afirmou que desde dezembro vem cobrando do Planejamento uma resposta. "Nunca recebi um telefonema sequer de resposta. Agora o ministro vai ter que vir aqui explicar", afirmou o parlamentar paulista. De acordo com o líder do PRB, o calote do Brasil tem provocado "profundo constrangimento" a ele, que é chefe da deleção brasileira no colegiado.

O Ministério do Planejamento confirmou que o governo brasileiro tem pagamentos pendentes junto ao Parlasul. Segundo a Pasta, as dívidas são relacionadas aos exercícios de 2016 e 2017. O ministério informou, porém, que vem "envidando todos os esforços no sentido de regularizar a situação" e que elaborou um cronograma de pagamentos "para os próximos meses" que leva em "consideração todo o conjunto de compromissos" do governo.