• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ministro da Economia italiano diz que saída da zona do euro não está nos planos

Geral

Ministro da Economia italiano diz que saída da zona do euro não está nos planos

O novo governo da Itália não está considerando deixar a zona do euro, reforçou o ministro da Economia do país, buscando minimizar a importância da forte reação dos mercados financeiros à coalizão atualmente no poder, considerando-a uma "questão normal que acompanha a transição política".

O ministro italiano da Economia, Giovanni Tria, disse ao jornal Corriere della Sera em uma entrevista publicada neste domingo que a "posição do governo é clara e unânime. Nenhum plano para sair do euro está sendo discutido".

Tria, um professor de política econômica que foi escolhido de última hora para o posto de ministro, foi mais longe com sua afirmação de que o apoio italiano na união monetária compartilhada por 19 países membros é firme. "Não só não queremos sair" da zona do euro, como o governo está determinado a combater ações que possam "colocar nossa presença no euro em discussão", disse.

Tria foi escolhido para o cargo de ministro da Economia depois que o presidente italiano Sergio Mattarella se recusou a aprovar o nome de Paolo Savona, indicado pela a coalizão formada pelo populista Movimento 5 Estrelas (M5S) e pelo partido de extrema direita Liga. Savona, um economista eurocético, chegou a dizer que tinha um plano para abandonar o euro.

O presidente Sergio Mattarella citou temores de que a defesa de tal plano poderia agitar ainda mais os mercados financeiros que já estavam nervosos com a inconclusiva eleição de março e a perspectiva de um governo liderado por populistas.

Na semana passada, durante a primeira semana completa do governo da coalização Liga-M5S, o mercado de títulos e o mercado acionário de Milão pareciam nervosos com a perspectiva de a já elevada dívida da Itália subir ainda mais.

Os líderes dos dois partidos prometeram realizar dispendiosas promessas de campanha. Luigi Di Maio, que lidera o M5S, prometeu dar aos desempregados e aos italianos de baixa renda uma renda mensal garantida. A Liga, de Matteo Salvini, prometeu reduzir drasticamente as taxas de impostos para cidadãos e empresas italianas. Ambos os políticos, que participam do novo governo, querem desfazer partes de uma recente reforma previdenciária, de forma a permitir que os italianos possam se aposentar mais cedo.

Eles disseram que pediriam à União Europeia que permitisse mais espaço para manobra de gastos, uma estratégia que Di Maio reiterou no domingo. Segundo ele, o governo planeja "ir a Europa para obter margens de flexibilidade para investimentos e reformas, por exemplo, a reforma tributária", disse, em um programa de entrevistas da TV estatal. "Não estou dizendo que pediremos à Europa todo o dinheiro", acrescentou, afirmando que as iniciativas seriam parcialmente financiadas pela redução das despesas públicas em outras áreas.

Na entrevista ao jornal, Tria rechaçou a possibilidade de as medidas em planejamento elevarem o déficit. Ele prometeu que os gastos do governo "estarão todos em linha com o objetivo de continuar no caminho da redução da relação dívida sobre PIB".

Di Maio e Salvini argumentaram que os gastos seriam compensados pelo aumento do crescimento econômico. "O objetivo é o crescimento e o emprego", disse Tria. "Mas nós não pretendemos relançar o crescimento por meio de gastos deficitários".

Fonte: Associated Press