No Rio, população espera por mais de duas horas por ônibus

Geral

No Rio, população espera por mais de duas horas por ônibus

Redação Folha Vitória

Trabalhadores que ficaram sem ônibus na Central do Brasil por causa da greve dos rodoviários nesta segunda-feira, 11, esperaram mais de duas horas para ir para o trabalho. Um grupo de domésticas aguardava às 10h30 pelo 309 (Central - Alvorada) temendo a incompreensão dos patrões.

"Acho a greve justa, mas deixar o trabalhador a pé não é. Já avisei ao patrão, não sei se entenderá", disse Jaqueline Soares, de 45 anos, que foi de Piabetá, na Baixada fluminense, sem problemas (a greve é apenas na capital), e esperava na Central para seguir para a Barra, na zona oeste, depois de 2h15 na fila.

"Sou solidária aos motoristas, as condições de trabalho são péssimas. Mas, e a gente, faz como?", lamentou Marilene da Costa, de 38 anos. "Como aumentam a passagem e não repassam nada para a categoria? Só piora para todo mundo", afirmou Darlene Santos, de 34 anos. A passagem passará de R$3,60 para R$ 3,95.

Funcionários da empresa Real, da linha 309, informaram que de 66 coletivos só estão circulando seis. Não houve ameaças a motoristas, conforme despachantes da Real informaram à reportagem na Central do Brasil, terminal de grande movimentação de onde partem ônibus para toda a cidade.

Segundo o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus do Rio (Sintraturb Rio), cinco empresas estão paradas nesta segunda-feira, Real, Ideal, Paranapuã, Redentor, Três Amigos e Barra, que atendem bairros da zona norte, zona sul e zona oeste. Entre 20% e 30% da frota deverá se manter rodando.

A categoria reivindica reajuste salarial, plano de saúde, vale-alimentação, vale-refeição e fim de dupla função de motorista e cobrador, entre outras melhorias nas condições de trabalho.