TJMG nega recurso que buscava anular certidão de óbito de Eliza Samudio

Geral

TJMG nega recurso que buscava anular certidão de óbito de Eliza Samudio

Redação Folha Vitória

Por quatro votos a um, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou recurso movido pela defesa do goleiro Bruno Fernandes, que buscava a anulação da certidão de óbito de sua ex-amante Eliza Samudio, cujo corpo ainda não foi encontrado. Os advogados do atleta alegam que a emissão do documento teria influenciado a decisão do tribunal do júri que condenou Bruno a 22 anos e 3 meses de prisão em 2013.

A sessão desta quarta-feira, 6, analisou os embargos infringentes apresentados pela defesa após os recursos iniciais serem rejeitados em setembro do ano passado. À época, o desembargador Doorgal Andrada, relator do caso, apresentou tese que a emissão da certidão de óbito de Eliza Samudio, garantida pela Justiça em janeiro de 2013, não influenciaria o julgamento de Bruno por se tratar de um documento meramente civil sem efeitos penais. A tese foi aprovada por dois votos a um. Devido à divergência, a defesa pediu que a turma da 4ª Câmara Criminal julgasse os embargos.

A maioria dos desembargadores, no entanto, manteve a decisão inicial. Na sessão desta quarta-feira votaram pela rejeição dos embargos infringentes os desembargadores Fernando Caldeiras Brant, relator do recurso, Julio César Gutierrez, Eduardo Brum e Doorgal Andrada.

O voto divergente foi proferido pelo desembargador Correa Camargo, que também havia votado pela anulação do documento no ano passado. Segundo ele, a Vara do Tribunal do Júri de Contagem não teria a competência para determinar a expedição da certidão de óbito. Por conta da decisão, o documento influenciou o julgamento do ex-goleiro Bruno, realizado em março de 2013.

Defesa

O advogado Fábio Gama Leite, que representa o goleiro Bruno, afirmou que a decisão desta quarta-feira "era esperada". "A defesa manifesta seu absoluto inconformismo. A Justiça mineira tem sido absolutamente contrária à apresentação da defesa do Bruno". Segundo Leite, apesar de haver a possibilidade de recursos no próprio Tribunal de Justiça mineiro, não valeria a pena insistir em uma decisão da Corte que, segundo ele, "deixou claro" que não votará a favor da defesa.

"Entraremos com recursos ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal e esperamos que a decisão seja revista", afirmou Leite. De acordo com o advogado, a decisão da justiça mineira que garantiu a expedição da certidão de óbito foi "absurda" e prejudicou Bruno durante o júri popular.

Redução de pena

Em outubro do ano passado, a turma da 4ª Câmara Criminal também negou o pedido de redução de pena apresentado pela defesa do goleiro. A intenção dos advogados era diminuir a sentença em 18 meses. Os desembargadores, no entanto, não aceitaram a tese, afirmando que Bruno havia sido beneficiado com redução de dois anos da pena após a prescrição do crime de ocultação de cadáver. Atualmente, o atleta está detido no Presídio de Varginha, no Sul de Minas Gerais.