Confira perguntas e respostas sobre a vacinação em massa contra a covid em Viana

Geral

Confira perguntas e respostas sobre a vacinação em massa contra a covid em Viana

Para tirar todas as dúvidas, a Prefeitura de Viana reuniu algumas perguntas e respostas mais comuns desde o anúncio do projeto

Foto: Divulgação/Pixabay

O anúncio da vacinação contra a covid-19 em massa no município de Viana deixou algumas dúvidas para moradores e a população em geral. A cidade foi escolhida para a realização de um estudo, que visa avaliar se a aplicação de meia dose da Astrazeneca possui a mesma eficácia de uma dose inteira. Para isso, cerca de 35 mil moradores do município, com idades entre 18 e 49 anos, deverão receber a primeira aplicação da dose ajustada.

>> Voluntários começam a receber meia dose de Astrazeneca em Viana

>> Morador de Viana pode comparecer a vacinação em massa sem agendar

Uma das questões que gerou dúvidas é: por que Viana foi escolhida para receber esse tipo de estudo? A justificativa apresentada pelo governo do Espírito Santo, que é um dos realizadores do projeto, é que o município reúne as condições que atendem aos objetivos do projeto. Um deles é que trata-se de uma cidade de médio porte, onde é possível vacinar toda a população em um mesmo dia.

Para tirar todas as dúvidas, a Prefeitura de Viana reuniu algumas perguntas e respostas mais comuns desde o anúncio do projeto. Confira:

Qual o objetivo do estudo?

O “Projeto Viana” é um estudo científico denominado “Efetividade, Segurança e Imunogenicidade da Meia Dose da Vacina ChAdOx1 nCoV-19 (AZD1222) para Covid-19” que avaliará a capacidade de meia dose da vacina Astrazeneca Oxford/Fiocruz reduzir o número de casos de Covid-19, na cidade de Viana, na Região Metropolitana da Grande Vitória. A iniciativa combina vacinação em massa com dose ajustada, acompanhamento da resposta imune e sequenciamento genético do novo Coronavírus.

Por que fazer esse estudo?

A covid-19 é uma doença produzida por um vírus que se transmite de uma pessoa para outra, principalmente pela respiração. É um vírus com alto poder de infectar as pessoas. A maneira mais eficiente para prevenção dessa doença, assim como outras doenças produzidas por vírus, é a vacinação da população. Tendo em vista a escassez de vacina para todos, o Brasil começou a imunização por grupos prioritários. Assim, para conseguir vacinar o maior número possível de pessoas, o Projeto Viana tem o objetivo de verificar se a aplicação de uma dose ajustada (meia dose) da vacina Astrazeneca Oxford/Fiocruz é capaz de evitar que as pessoas tenham Covid-19 e, principalmente, se é capaz de evitar casos graves da doença. A comprovação da eficácia desse esquema poderá dobrar a capacidade de vacinação com a mesma quantidade de ingrediente farmacêutico ativo.

Quando e onde acontecerá a campanha?

A campanha de vacinação será nos dias 12 e 13 de junho, em pontos de vacinação nas zonas eleitorais do município de Viana, diferentemente dos locais que estarão aplicando a dose padrão contra a Covid-19 (calendário do Plano Nacional de Imunização).Todos os moradores de Viana entre 18 e 49 anos serão vacinados contra a covid-19 em dia 'Dia D' de vacinação no dia 13 de junho. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira pelo governador Renato Casagrande e faz parte do projeto Viana Vacinada. Todos os moradores de Viana entre 18 e 49 anos serão vacinados contra a covid-19 em dia 'Dia D' de vacinação no dia 13 de junho. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira pelo governador Renato Casagrande e faz parte do projeto Viana Vacinada.

Qual é a população alvo?

Toda a população adulta de 18 a 49 anos que não faz parte de grupos prioritários estabelecidos no PNI poderá participar. A projeção da população-alvo para o estudo é composta por cerca de 35 mil pessoas que, conforme dados do IBGE, são: 7.154 pessoas entre 18-29 anos; 10.863 pessoas entre 30-39 anos; 8.287 pessoas entre 40-49 anos, totalizando 34.867. Considerando a população selecionada, a meta é alcançar 85% de cobertura vacinal - 29.637 pessoas, sendo, aproximadamente, 47% do sexo feminino e 53% do masculino.

Por que esse público?

A vacinação de todos os adultos de 18 a 49 anos que não fazem parte do grupo prioritário considera que tem havido aumento na proporção de casos da Covid-19 em adultos jovens, mas não tem sido possível obter vacina em doses suficientes para alcançar cobertura vacinal com duas doses em um grupo etário tão numeroso.

Sou obrigado a participar?

A participação no estudo é voluntária e o cidadão vianense que quiser participar deverá assinar um Termo de Consentimento no momento do agendamento, antes de receber a primeira dose da vacina.

Como será a vacinação?

Os moradores de 18 a 49 anos, que não estejam em grupos prioritários, que ainda não tenham recebido nenhuma dose de vacina para Covid-19, receberão duas doses, com intervalo de 12 semanas entre elas, de metade da dose padrão (0,25mL).

Vou ter a garantia da segunda dose?

Sim. Ao tomar a primeira dose, o cidadão terá a garantia e será agendado para receber a segunda dose.

A vacina aplicada já foi testada antes?

Sim. A vacina aplicada será a Astrazeneca Oxford/Fiocruz, que tem autorização definitiva pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso no Brasil. Ela foi produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), distribuída e doada pelo PNI do Ministério da Saúde.

Estudo de meia dose já foi feito no Brasil?

A redução da dose de vacinas não é uma estratégia nova e já foi testada no Brasil e em outros países para controlar epidemias, como, por exemplo, a febre amarela. A vacinação para Covid-19 com meia dose ainda não foi testada no Brasil, mas já foi testada em estudo anterior realizado na Inglaterra, no qual se observou que esse esquema foi semelhante a dose padrão, para induzir a produção de anticorpos e reduzir a taxa de ocorrência da doença.

Quem é responsável por esse estudo?

O estudo é coordenado por equipes de pesquisadores do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes da Universidade Federal do Espírito Santo (HUCAM-UFES/EBSERH) e da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). O projeto foi aprovado no Comitê de Ética do HUCAM-UFES e pela Comissão Nacional de Ensino e Pesquisa (CONEP) e será executado por meio de uma parceria entre o Ministério da Saúde (MS), Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a FIOCRUZ, HUCAM-UFES, Secretaria da Saúde (SESA), por meio do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), e Prefeitura Municipal de Viana.

Já tive covid, devo participar?

Indivíduos que já tiveram Covid-19 há mais de 28 dias e estão recuperados também serão vacinados, pois podem ser reinfectados e há interesse em avaliar o efeito da vacina, especificamente neste grupo.

Como eu vou ser acompanhado?

Durante um ano, a população será acompanhada pelos pesquisadores do HUCAM-UFES e da FIOCRUZ, para observar a eficácia e segurança da vacina. O acompanhamento será por meio da plataforma www.vianavacinada.saude.es.gov.br, por contato telefônico, atendimento nas Unidades Básicas de Saúde e Pronto Atendimento, coletas de amostras de sangue (para um subgrupo escolhido aleatoriamente) e também, por meio dos sistemas de notificação do SUS.

Quais os resultados esperados?

Baseado em estudos anteriores, espera-se que a meia dose seja suficiente para produzir anticorpos e células de defesa e reduzir 60% da incidência de Covid-19, ao longo de seis meses após a vacinação. Serão observadas a efetividade vacinal por redução do número de casos, do número de mortes, número de internações hospitalares, casos graves, número de internações em unidades de terapia intensiva.

Espera-se também bloquear a transmissão comunitária e reduzir significativamente o número de casos na cidade. Esses resultados podem mudar a estratégia de vacinação do País e do mundo, permitindo avançar na imunização com meia dose e alcançar um número maior de vacinados.

Por que Viana?

A cidade foi escolhida por reunir as condições que atendem aos objetivos do projeto, como ser próxima e integrada à Grande Vitória, oferecendo facilidade logística. Também pela grande mobilidade urbana, pois fica às margens da rodovia que dá acesso à Capital do Espírito Santo e aos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro - fator que contribui para a situação epidemiológica de maior risco. O município possui rede de atenção à saúde bem estruturada e logística de vacinação organizada.

E se a vacina der reação? O que faço?

A injeção da vacina pode causar dor e desconforto pela perfuração com agulha. Alguns indivíduos podem desenvolver reação após a vacina, com dor no local da injeção, dor de cabeça e febre. Esses sintomas são passageiros e espera-se que sejam semelhantes àqueles que estão recebendo dose padrão. Todos os eventos adversos poderão ser informados na plataforma www.vianavacinada.saude.es.gov.br.

Você receberá mensagens convidando a informar sobre eventos adversos após o sétimo dia e após 30º dia de recebimento da primeira e também da segunda dose. Nova informação será prestada ao final do estudo, após 12 meses. Quem tiver reação mais forte à vacina, deverá buscar uma Unidade de Saúde ou Pronto Atendimento para ser avaliado e orientado ou ligar no número (27) 99953-9497 – atendimento 24 horas.

Se eu pegar covid durante o estudo? O que faço?

Durante o estudo, serão disponibilizados testes RT-PCR para avaliar todos os casos suspeitos da Covid-19. Se você apresentar sintomas de gripe, deve procurar as unidades de atendimento do SUS para coleta de RT-PCR e receber orientações e tratamento.

Se eu não desenvolver os anticorpos como esperado, receberei a vacina completa?

Aqueles indivíduos que não ficarem protegidos (não alcançarem níveis de anticorpos protetores), terão o direito de receber dose padrão de reforço, após 6 meses. Da mesma forma, se as análises do estudo não demonstrarem efetividade ou eficácia, todos os participantes terão acesso a reforço com dose padrão, após 6 meses.

Vou ganhar algum dinheiro para participar?

A participação na pesquisa será voluntária, isto é, não haverá nenhuma recompensa financeira pela participação. O cidadão poderá desistir do estudo a qualquer momento, sem que isso lhe traga qualquer prejuízo em relação aos direitos como cidadão do município de Viana.

Por que participar desse estudo?

Deve ser motivo de honra para o vianense dar uma contribuição histórica para a pesquisa sobre a vacinação contra a Covid-19. Quem participar terá o benefício direto de ter acesso à uma vacina já aprovada para uso no Brasil. Se a vacina com meia dose for efetiva, resultará no benefício direto de prevenir a Covid-19. A antecipação especial das vacinas para faixas etárias 18-49 anos é um grande benefício que, de outra forma, precisariam esperar mais alguns meses para serem incluídas no programa nacional. A vacinação de toda a população adulta do município também reduzirá a taxa de transmissão comunitária do vírus.

Se isso ocorrer, também haverá um benefício indireto para toda a sociedade, pois esses resultados podem direcionar as estratégias do país para vacinar mais pessoas com a mesma quantidade de vacina.

O gesto de solidariedade de cada um será reconhecido em momento tão difícil em que o maior desafio é levar mais vacinas para o maior número possível de pessoas para prevenir contra uma doença que tem tirado tantas vidas em nosso país. Com esse estudo, Viana se tornará notícia e referência no País e fora dele, assim como o cidadão vianense estará contribuindo para a contenção da pandemia não somente em sua cidade, mas também no Brasil e no mundo.

O estudo será igual para todos?

Todos os participantes receberão a vacina e serão monitorizados. Mas apenas um subgrupo de 600 pessoas, escolhidas aleatoriamente, serão convidados para coleta de sangue para saber a capacidade de a meia dose gerar anticorpos de proteção. Para isso, nesses indivíduos será feita uma coleta de sangue (40 mL) antes da primeira e segunda dose de vacina, e aos 3, 6 e 12 meses após a vacina. Os resultados da dosagem de anticorpos que confirmam a resposta à vacina serão disponibilizados aos participantes que coletarem amostras de sangue.

Quem não pode participar do estudo?

Menores de 18 anos ou maiores de 49 anos, gestantes, pessoa com história de reação alérgica grave (anafilaxia) a qualquer vacina previamente administrada, ter recebido outra vacina nos últimos 14 dias, pertencer a grupo de risco prioritário para vacinação conforme recomendações do PNI, apresentar febre ou sintomas gripais, ter recebido previamente e em qualquer momento, qualquer vacina para Covid-19, ter tido diagnóstico recente da Covid-19 com início dos sintomas 28 dias antes da vacinação, distúrbios da coagulação e uso de anticoagulantes.

Posso tomar vacina da gripe durante o estudo?

Você não deverá tomar nenhuma vacina 14 dias antes e 28 dias após a primeira e segunda dose da vacina para a covid-19.

Se o local de vacinação for longe demais da minha casa?

A vacinação será realizada em pontos estratégicos de fácil acesso. Em casos em que o deslocamento não seja possível, o projeto irá viabilizar o transporte do participante ou levará a vacina até o domicílio. Basta procurar a unidade de saúde mais próxima e aguardar agendamento domiciliar.

Se eu esquecer de tomar a segunda dose?

Procure a Unidade Básica de Saúde e faça contato com a equipe de pesquisa, por meio da plataforma www.vianavacinada.saude.es.gov.br.

Com quem posso tirar mais dúvidas?

As Unidades Básicas de Saúde estarão orientadas a dar informações sobre a campanha de vacinação. Em caso de dúvida poderá enviar mensagem no Fale Conosco disponível na plataforma www.vianavacinada.saude.es.gov.br ou ligar para o telefone (27) 99953-9497 – atendimento 24 horas.

Tomando essas duas doses, posso deixar de usar máscara?

Não. Os cuidados para a prevenção da Covid-19 devem continuar. A máscara, junto do distanciamento social, é medida importante até que a pandemia esteja completamente controlada.

Quando os resultados do estudo serão divulgados?

Serão divulgados os resultados das análises parciais em dezembro de 2021 e resultados finais em outubro de 2022.

Quanto será gasto com esse estudo?

O projeto tem custo estimado em R$ 5.145.711,00.