Após confusão na orla de Camburi, prefeitura vai rever autorizações de shows em áreas públicas

Geral

Após confusão na orla de Camburi, prefeitura vai rever autorizações de shows em áreas públicas

Secretaria de segurança disse que a estimativa era de 20 mil pessoas no evento, mas estiveram presentes na festa cerca de 50 mil. 32 ocorrências foram registradas

Evento reuniu cerca de 50 mil pessoas na praia de Camburi, em Vitória Foto: Reprodução Facebook

Após diversas ocorrências que aconteceram na praia de Camburi, na noite do último domingo (27), durante um show gratuito, a Prefeitura de Vitória decidiu rever os critérios para a liberação de grandes eventos realizados em áreas públicas da cidade. A decisão foi tomada após uma reunião realizada no gabinete do prefeito.

Foram levadas em consideração as ocorrências de trânsito, segurança e atendimentos médicos ocorridas no domingo. Nos bairros Mata da Praia e Jardim da Penha, foram registradas 32 ocorrências, entre elas casos de furto, uso de drogas e crianças perdidas. 

A festa reuniu um público de diversos gêneros musicais e a estimativa dos organizadores era que o evento atraísse 20 mil pessoas, mas, de acordo com o levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Segurança Urbana (Semsu), estiveram presentes na festa cerca de 50 mil pessoas.

Segundo o secretário municipal de Segurança Urbana, Fronzio Calheira Mota, a Guarda Civil Municipal esteve presente no evento com 60 agentes, que realizaram patrulhamento a pé e de quadriciclos na areia e organizaram o fluxo de veículos, sendo necessário fazer um desvio de trânsito na avenida Dante Michelini no meio da tarde. Mota também disse que no local havia um número grande de policiais militares.

"Essa festa acendeu a luz amarela da Prefeitura com relação à liberação de eventos de grande porte em áreas públicas. Vamos estudar formas de regulamentar melhor as autorizações, provavelmente por meio de decreto. Antes de liberar qualquer tipo de show, deverão ser considerados a duração do evento, a variedade de gêneros musicais e o potencial de atração de público. Verificamos que até mesmo os próprios organizadores muitas vezes não conseguem dimensionar o total de pessoas que são atraídas pelo evento", explicou o secretário.

Associação de moradores quer fim de eventos 

Moradores da região estão pedindo o fim da realização de eventos de grande porte no local. De acordo com o presidente da Associação de Moradores da Mata da Praia, bairro próximo à praia, Sandoval Rigonni, diversos e-mails de moradores relatam tentativas de invasão a condomínios e queixas de falta de segurança no local.

“A repercussão foi muito grande. A associação não para de receber email desde ontem (domingo) à noite. Houve tentativa de invasão, além de pessoas que fizeram suas necessidades nos jardins dos prédios”, frisou.

Confusão

Durante o evento, do último domingo (27), uma mulher foi baleada, três pessoas foram esfaqueadas e uma foi pisoteada. Segundo a Polícia Militar, a confusão começou quando um tiro foi disparado da área vip para o público na areia, próximo ao palco. Testemunhas relataram que não havia policiamento ou seguranças no local. 

Por volta das 20 horas, o evento foi cancelado. Segundo informações, duas bandas musicais não chegaram sequer a se apresentar. Para o secretário Municipal de Segurança Urbana de Vitória, Fronzio Calheira Mota, o evento recebeu um público acima do esperado. “Quando eu cheguei no local e vi aquela multidão, eu já fiquei preocupado, já presumi que uma quantidade tão grande de gente dobrou a expectativa dos organizadores e do poder público municipal e estadual. Eu fiquei muito preocupado, sabendo que qualquer conflito mais sério poderia chegar a uma situação como aquela que de fato aconteceu”, afirma.

Ainda segundo o secretário, a prefeitura de Vitória se organizou para um evento menor. Ele explica que o órgão vai analisar o que aconteceu. “Houve um planejamento para um público estimado em 20 mil pessoas, houve um planejamento para isso. O município se organizou, os organizadores do evento se organizaram e o público mais do que duplicou. O município não autorizaria, com certeza, um evento para o público que acabou acontecendo, esse que é o ponto. Isso vai ter que ser objeto de análise por parte da administração municipal”, explica.

Por sua vez, a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo disse que não divulga o número de efetivo da Polícia Militar empregado no evento, mas informa que a quantidade era suficiente para garantir a segurança de até 30 mil pessoas, conforme expectativa inicial da organização dos shows. Como o número de público foi muito maior, houve vários registros de confusões e brigas. 

Segundo a secretaria, o caso mais grave foi o de uma senhora de 60 anos baleada na perna e levada para um hospital da capital sem gravidade. Ainda segundo a Polícia Militar, não há confirmação de nenhum caso de esfaqueamento e nem de pisoteamento na orla de Camburi durante o evento.