Autor do tiroteio em cinema dos EUA pode ser condenado à pena de morte

Geral

Autor do tiroteio em cinema dos EUA pode ser condenado à pena de morte

Redação Folha Vitória

Centenial, Colorado - James Holmes, autor do tiroteio dentro de uma sala de cinema em Denver que passava o filme "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge", nos Estados Unidos, em 2012 que deixou 12 pessoas mortas e mais de 50 feridas, foi considerado culpado ontem, por um tribunal.

O julgamento ocorreu três anos após o massacre e o júri só precisou de 12 horas para decidi-lo, rejeitando o argumento da defesa de que Holmes tem problemas mentais e sofre de esquizofrenia. Agora, o julgamento entra em uma nova fase e o júri deve decidir se o autor deve ser condenado à pena de morte.

"Estou satisfeito que chegamos a esse resultado, mas, ao mesmo tempo, ainda temos um longo caminho pela frente", disse Marcus Weaver, vítima do ataque no qual a amiga, Rebecca Wingo, foi morta.

De acordo com especialistas, a fase de sentença deverá ser mais desgastante emocionalmente, a medida que os sobreviventes descrevem o impacto do tiroteio em suas vidas. Será uma decisão difícil para os jurados, que terão menos embasamento para guiá-los, disse a advogada Karen Steinhauser, que não está envolvida no caso. Mesmo os júris tendo rejeitado o argumento da insanidade mental de Holmes, usado pela defesa, não significa que a pena de morte será uma decisão certa.

"Eles terão de decidir se a pena de morte para uma pessoa que tem problemas mentais é a punição correta", disse a advogada. "Acaba sendo uma decisão muito pessoal", comentou.

A defesa convocou alguns psiquiatras para avaliar Holmes, incluindo um especialista em esquizofrenia, que concluiu que o réu é psicótico e mentalmente incapaz. Entretanto, dois médicos chamados pelo estado, testemunharam que não importa qual era o estado mental de Holmes no dia do massacre, ele sabia que estava fazendo uma coisa errada.

Se apenas um membro de todo o júri discordar da sentença de morte, Holmes será condenado à prisão perpétua. Fonte: Associated Press.