Aumento do teto da dívida será a próxima batalha do governo Trump no Congresso

Geral

Aumento do teto da dívida será a próxima batalha do governo Trump no Congresso

Redação Folha Vitória

Washington - Alguns republicanos já começaram a abandonar Washington para o recesso de agosto do Congresso, após a tentativa fracassada do governo de Donald Trump de tentar revogar e substituir o Obamacare. Quando os deputados retornarem em setembro, terão apenas 12 dias úteis para evitar outro grande problema: o financiamento ao governo.

Em uma carta aos congressistas na sexta-feira, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que o teto da dívida federal precisaria ser aumentado até 29 de setembro ou o governo poderia ficar sem dinheiro para pagar suas contas.

O Departamento do Tesouro tem empregado medidas de conservação de caixa desde maio, quando o financiamento atingiu o limite formal de quase US$ 20 trilhões. Espera-se que essas medidas se esgotem em meados de outubro. Quando isso ocorrer, o governo não terá dinheiro para pagar juros sobre dívidas, promover medidas de segurança social ou fazer outros milhões de pagamentos rotineiros.

Anteriormente, os congressistas americanos conseguiram resolver disputas amargas em relação ao limite da dívida. Mas os mercados começam a refletir a angústia sobre a capacidade de Washington de navegar em um novo confronto, tendo em vista os desafios que o Partido Republicano chegou em questões como o sistema de saúde. Os deputados deixaram a cidade sem uma estratégia clara para gerenciar a política complexa em torno do aumento do teto da dívida quando retornarem.

"Nós simplesmente não sabemos o que vai acontecer no processo desta vez", disse o economista político do Goldman Sachs, Alex Phillips. Esta será a primeira vez que os republicanos controlarão o Congresso e a Casa Branca enquanto precisam aumentar o teto da dívida federal. Há resistências dentro do próprio partido quanto a uma elevação.

No passado, republicanos conservadores procuraram emparelhar aumentos no limite do endividamento com cortes de gastos acentuados. Alguns argumentaram que eram contra a elevação do teto. Mnuchin deixou claro que o governo deseja ver o teto da dívida elevado, sem restrições. Mas os líderes republicanos precisam do apoio de congressistas democratas para obter qualquer tipo de aprovação nesse sentido. No entanto, muitos democratas têm relutado em fornecer apoio a medidas do governo Trump sem algo em troca.

O caminho para elevar o teto da dívida será o primeiro grande teste político para Mnuchin, novato em Washington, que tem sido intensamente focado na proposta de reforma tributária do governo Trump. "Com base na nossa informação disponível, acredito que é fundamental que o Congresso eleve o limite do endividamento do país até 29 de setembro", disse Mnuchin, em uma carta aos congressistas na semana passada. Fonte: Dow Jones Newswires.