Líder no Senado desiste de reforma na saúde nos EUA, em derrota para Trump

Geral

Líder no Senado desiste de reforma na saúde nos EUA, em derrota para Trump

Redação Folha Vitória

Washington - As lideranças do Partido Republicano no Senado dos Estados Unidos desistiram de seu esforço para acabar com o sistema de saúde atual e substituí-lo por outro modelo, após mais dois republicanos desistirem de apoiar a medida. Os senadores não conseguiram os votos necessários para aprovar a prioridade legislativa do presidente Donald Trump em seus primeiros sete meses no poder.

Em uma clara derrota para a liderança do partido governista, os senadores republicanos Mike Lee, de Utah, e Jerry Moran, do Kansas, tornaram-se na noite de segunda-feira o terceiro e o quarto nomes na Casa a se opor à versão mais recente do projeto de lei, que previa a revogação e a substituição de boa parte da legislação atual, conhecida como Obamacare por ter sido aprovada durante o governo do ex-presidente Barack Obama.

O comando republicano já perdido dois votos, dos senadores Rand Paul, do Kentucky, e Susan Collins, do Maine, e com a recusa de mais dois senadores não haveria apoio suficiente para avançar.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, admitiu a derrota. "Lamentavelmente, está claro agora que o esforço para repelir e imediatamente substituir o fracasso do Obamacare não será bem-sucedido", afirmou ele em comunicado.

Em uma estratégia que pode enfrentar mais dificuldades, o líder da maioria disse que o Senado, em vez disso, deve votar nos próximos dias um projeto aprovado no fim de 2015 para desmantelar boa parte do Obamacare - esse projeto foi vetado pelo então presidente Obama em janeiro de 2016.

Muitos senadores republicanos resistiram à estratégia, dizendo que não se sentiriam confortáveis em acabar com o modelo atual sem poder dizer a seus partidários o que passaria a vigorar no lugar dele.

Com 52 republicanos no Senado, McConnell precisa garantir pelo menos 50 votos para aprovar medidas, já que em caso de empate a decisão recai sobre o vice-presidente Mike Pence, também presidente do Senado. Nenhum democrata deve apoiar a medida. A oposição diz que os republicanos devem começar a trabalhar com eles para fortalecer o sistema de seguro-saúde. Fonte: Dow Jones Newswires.