• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Falta de vacinação traz de volta doenças extintas há anos e Guarapari está alerta

  • COMPARTILHE
Geral

Falta de vacinação traz de volta doenças extintas há anos e Guarapari está alerta

Queda na cobertura vacinal pode trazer de volta doenças como sarampo e poliomielite

Aline Couto

Redação Folha da Cidade

A cobertura vacinal da chamada tríplice viral, vacina de imunização contra sarampo, caxumba e rubéola, e da poliomielite, paralisia infantil, está em queda no Espírito Santo. Essas doenças, erradicadas há anos, podem voltar a circular. 

Apesar de ainda não haver nenhum caso de sarampo no Estado, a diminuição da vacinação em crianças é motivo de preocupação, já que com menos crianças imunizadas aumenta a possibilidade de propagação da doença. Evitar que doenças sérias que podem deixar sequelas e até levar a morte voltem, é simples e gratuito. É preciso garantir a vacinação para que não haja uma reintrodução do vírus.

Em Guarapari, a cobertura vacinal gira em torno de 77,69% de poliomielite e 82,81% na tríplice viral. A meta de vacinação do Ministério Público é de 95% do público-alvo.

Segundo a prefeitura do município, as vacinas, tanto a tríplice viral quanto poliomielite, fazem parte do calendário vacinal da criança estando disponíveis nas unidades de saúde da cidade. “Todos profissionais de salas de vacinas orientam os cuidadores quanto às datas das próximas vacinas, de acordo com o calendário vacinal. Infelizmente, a nível nacional, a adesão de vacinação em crianças está cada vez mais baixa”, enviou em nota.

Ainda de acordo com a prefeitura, além das campanhas nacionais de divulgação, todas as unidades do município possuem matérias informativas, visuais e publicitárias sobre as campanhas e importância da vacinação. “Os dados da vacinação são atualizados periodicamente. Seus números aumentarão na próxima atualização e, também, no próximo mês, quando haverá nova campanha nacional”, finalizou.

Sarampo no Brasil

Em 2016, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) declarou as Américas como primeira região livre do Sarampo em todo o mundo. Apesar da conquista, a Venezuela enfrenta um surto de sarampo atualmente. Com a crise que o país enfrenta, muitos venezuelanos tem cruzado a fronteira em direção ao Brasil e a proliferação da doença já atinge alguns estados do país. O Amazonas e Roraima registram surtos da doença e no estado do Rio Grande do Sul alguns casos também foram detectados.

Vacina tríplice viral

Disponível no SUS para crianças, adolescentes e adultos, de 20 a 49 anos. Em crianças, a vacina é aplicada em duas doses, a primeira aos 12 meses e a segunda, chamada de tetra viral, aos 15 meses. Já os adolescentes e pessoas que tenham até 29 anos e ainda não tomaram essas vacinas, também tomam duas doses em um intervalo de 30 dias. Os adultos de 30 a 49 anos, tomam uma dose única. Pessoas que não sabem se tomaram a vacina podem procurar um posto de saúde para se imunizar, não há qualquer risco tomar a vacina.

Vacina Poliomielite

O esquema vacinal é composto por três doses da vacina injetável, administradas aos dois, quatro e seis meses. Aos 15 meses e aos 4 anos, a criança recebe a vacina oral.

Campanha Nacional de Vacinação

Terá início no dia 6 de agosto e termina dia 31, com o dia D sendo 18 de agosto. O objetivo do Ministério da Saúde é corrigir falhas vacinais e vacinar quem ainda não foi imunizado. Crianças de 1 a 5 anos serão vacinas independente do histórico de vacinação.

Considerados vacinados:

– pessoas de 12 meses a 29 anos que comprovem duas doses de vacina com componente sarampo/caxumba/rubéola;

– pessoas de 30 a 49 anos que comprovem uma dose de tríplice viral;

– profissionais de saúde, independentemente da idade que, comprovem duas doses de tríplice viral.