• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ministério Público denuncia Georgeval Alves por crime de estupro ocorrido em 2015

Morte irmãos carbonizados

Geral

Ministério Público denuncia Georgeval Alves por crime de estupro ocorrido em 2015

Uma ex-funcionária, que trabalhou no salão do pastor em 2015, procurou a 16ª Delegacia Regional de Linhares para denunciá-lo

Georgeval está preso desde o dia 28 de abril. 

O Ministério Público do Estado (MPES), por meio da Promotoria de Justiça Criminal de Linhares, denunciou à Justiça, Georgeval Alves, de 36 anos, pela acusação de estupro de uma mulher, ocorrido no ano de 2015.

Uma ex-funcionária, que trabalhou no salão do pastor na época, procurou a 16ª Delegacia Regional de Linhares para denunciá-lo. A vítima compareceu ao local após a conclusão do inquérito policial que investigava a morte do filho de Georgeval, Joaquim, de 03 anos, e do enteado, Kauã, de 06 anos. 

De acordo com a Polícia Civil, o caso foi apurado e Georgeval foi indiciado no artigo 213, que consiste em constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso. O inquérito foi concluído e encaminhado ao Ministério Público no último dia 4 de julho.

Defesa

A defesa de Georgeval Alves informou que não pode comentar sobre o caso, pois não conhece o teor da denúncia. 

Prisão

Georgeval, que está preso desde o dia 28 de abril, é apontado como o principal responsável pela morte dos irmãos. A Polícia Civil concluiu que ele abusou sexualmente e matou o filho e o enteado na noite do incêndio, ocorrido na residência da família, no dia 21 de abril. As investigações apontaram ainda que as crianças morreram carbonizadas e que o fogo foi ateado no quarto, quando elas ainda estavam vivas.

A esposa de Georgeval e mãe dos irmãos, Juliana Sales, também foi presa no município de Teófilo Otoni, em Minas Gerais. O mandado de prisão por homicídio qualificado foi expedido no dia 18 de julho, pelo juiz André Bijos Dadalto, da 1ª Vara Criminal de Linhares e cumprido pela Polícia Civil de Minas.