• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ortopedistas paralisam atendimento no Hospital Infantil de Vila Velha

Geral

Ortopedistas paralisam atendimento no Hospital Infantil de Vila Velha

O sindicato disse que os médicos estavam com os pagamentos atrasados

Os ortopedistas paralisaram o atendimento no Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzira Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha. Quem estava com consulta marcada nesta terça-feira (31) teve que voltar para casa sem saber quando será avaliado pelo especialista.

"Eu só entendi que o ortopedista não veio. Fica a espera, sem saber se quando voltar vai ser atendido ou não", disse a doméstica Dalvinete da Silva Soares, que levou o filho de 14 anos, que está com o braço quebrado, para uma consulta. 

A denúncia recebida pela equipe da Rede Vitória informava que os contratos com os ortopedistas haviam sido encerrados e o atendimento estaria suspenso por tempo indeterminado. A diretoria do hospital não confirmou a informação, e afirmou que o que houve foi uma paralisação dos profissionais motivada por divergências no contrato. Os médicos teriam feito exigências que não teriam sido atendidas e resolveram cruzar os braços.

A assessoria de imprensa do hospital afirmou que a direção vai se reunir com os ortopedistas. O encontro é para um possível acordo entre as partes, e para que o atendimento volte a ser normalizado o quanto antes.

O Sindicato dos Trabalhadores de Saúde do Estado (Sindisaúde) informou que os médicos interromperam o atendimento no Himaba porque estão com os pagamentos em atraso. O diretor de comunicação do sindicato disse que não há prazo para o retorno dos atendimentos. O sindicato informou que enviou o caso ao Ministério Público Estadual.

A diretora geral do Himaba, Ana Kézia Xavier, disse que o pagamento atrasado, mencionado pelo Sindisaúde, se referem ao que venceu no dia 20 de julho. "Nós temos 10 dias de atraso nesse pagamento. Não é o período que eles estão relatando. Hoje eles decidiram a paralisação, inclusive, não feito nenhum comunicado formal à direção do hospital com relação à essa paralisação, mas logo que tomamos conhecimento, pedimos uma reunião com eles para tentar entender o que estava acontecendo de fato", afirma. 

"Eles relataram a questão do pagamento, que nós já tínhamos sinalizado que seria feito na próxima semana, e a questão do contrato, que é uma questão específica com a Codes. Eles querem que o contrato seja feito no formato deles, que não é o desenho do serviço que a gente precisa na unidade", complementa a diretora.