Viana tem 96% da população vacinada e queda de casos

Geral

Viana tem 96% da população vacinada e queda de casos

Informação foi dada pelo secretário de Saúde, Nésio Fernandes, que credita esse feito ao alcance das vacinas em 96% da população do município

Marcelo Pereira

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação/ Sesa

Viana pode ser a primeira cidade do país a alcançar a chamada imunidade coletiva ainda em agosto. Esse fenômeno surge quando muitas pessoas já estão imunes contra uma infecção e, com isso, dificultam a ampla transmissão de um vírus. A informação foi dada pelo secretário da Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes,  nesta segunda-feira (05), durante uma coletiva virtual para a imprensa quando foram atualizadas as informações sobre o enfrentamento à covid-19 no Espírito Santo. 

De acordo com Fernandes, esse feito será possível porque a cidade, de 79.500 habitantes, alcançou 96% de índice vacinal no último sábado (03). Essa cobertura foi alcançada pela participação do município num projeto de estudo sobre os efeitos da vacinação, o chamado "Viana Vacinada", e também pelas estratégias da gestão municipal em alcançar de forma rápida diversos grupos de vacinados na população. 

Ele estava acompanhado do subsecretário de Saúde, Luiz Carlos Reblin, e do prefeito de Viana, Wanderson Bueno.

O prefeito Wanderson Bueno apresentou as estratégias do município que permitiram alcançar esse índice. Entre as medidas, citou a busca ativa por idosos em suas próprias residências, sem a necessidade deste público se deslocar a postos de saúde. "Foram mais de 15 mil pessoas visitadas em suas casas. Depois abrimos agendamento online para outros públicos e inauguramos a vacinação para os de 50 a 59, sendo a primeira cidade da Grande Vitória a contemplar essa faixa etária", informou.

Ele também lembrou da participação da cidade num estudo de relevância nacional. "Fizemos a aplicação de meia dose da Astrazeneca em 20 mil moradores e ficamos felizes com esse projeto pois antecipamos a vacinação num momento em que não há vacinas disponíveis para todos", completou. 

Ele afirmou que, no último sábado (03), foram vacinadas mais de 7 mil pessoas atingindo os 96% de cobertura. "Já é nítido uma redução da procura de nossos serviços por pessoas com sintomas", destacou, apontando queda da média móvel de casos no município com o avanço da vacinação. "No dia 13, quando fizemos o Viana Vacinada, a cidade registrava 18 casos que era média móvel. Atualmente, estamos com quatro casos por dia", ressaltou.

Dia D

Fernandes anunciou o chamado "Dia D da Vacinação" da cidade para o dia 8 de agosto. Ele também destacou que haverá atualização dos estudos em vigilância em saúde e vigilância epidemiológica de Viana a cada 15 dias. O primeiro monitoramento será informado na próxima semana em coletiva para a imprensa.

O prefeito de Viana lembrou que no próximo final de semana haverá coleta de exames em 600 pessoas que estão participando voluntariamente do estudo na cidade. "Estamos entrando em contato para que essas pessoas possam comparecer no sábado e no domingo dando continuidade a essa etapa importante desta pesquisa para que possamos ter os primeiros resultados preliminares", reforçou. A segunda dose de quem participou do "Viana Vacinada" também estará incluída no dia 8 de agosto.

Alcance da vacinação

Segundo o secretário de Saúde, atualmente, o Espírito Santo tem 54% da sua população adulta alcançada com, pelo menos, a primeira dose de imunizante contra a covid-19. "Estamos consolidando uma posição de destaque entre os três Estados do Brasil com o melhor desempenho da vacinação da primeira e da segunda dose e neste mês de julho iremos incrementar com a atualização de diversas estratégias de vacinação na população capixaba", informou, levando em conta que haverá uma grande aplicação de segunda dose principalmente da AstraZeneca.

Fernandes foi enfático ao afirmar que não há imunidade de rebanho no Estado. "O Governo não leva em consideração e não considera razoável adotar aquele conceito rechaçado pela ciência e pela boa gestão de todos os sanitaristas. Nós, para fim do reconhecimento da segurança para a retomada das atividades econômicas e sociais, reconhecemos a cobertura pelas vacinas, cobertura conquistada pela primeira dose e devemos avançar nessa completude", ressaltou. 

Ele acredita que, com a aplicação da segunda dose, a imunidade coletiva deve ser alcançada até novembro. "Devemos alcançar nos meses de setembro e de novembro uma cobertura razoável para que nos dê segurança de uma imunidade coletiva que seria capaz de preservar vidas", destacou. 

O secretário pediu a colaboração de jovens para que não se exponham e contribuam para a disseminação da doença. "Estamos afirmando isso nesse momento porque temos muitos adolescentes e jovens que ainda não foram alcançados pelas vacinas. Esse grupo precisa ser alertado por causa da imunidade de rebanho. Essa prática leva a milhares de pessoas à morte ao promover uma exposição desnecessária a uma doença infectocontagiosa", alertou.  "Jovens que ainda não foram vacinados devem respeitar o distanciamento social, o uso de máscaras e não desenvolvam atividades sociais que exponham quem você gosta ao risco desta doença", frisou. "Mortes são evitáveis, temos as vacinas e precisamos ter paciência para retomarmos de maneira mais ampla às nossas atividades", destacou.

Ele ainda pediu que os jovens evitem situações sociais como festas onde as regras sanitárias costumam ser esquecidas com o clima de empolgação regado a bebidas alcóolicas. Nésio Fernandes apontou o perigo das variantes que estão circulando e que podem atingir os jovens. "Adote comportamento que possa reduzir esse contágio", aconselhou.  

Viana vacinada

O subsecretário Luiz Carlos Reblin lembrou que a população de Viana, mesmo alcançando 96% de índice vacinal, não pode deixar de adotar as medidas sanitárias contra o coronavírus como o uso de máscaras e o distanciamento social. "É preciso permanecer com esses cuidados porque mesmo depois da segunda dose precisamos manter com esse cuidados pois não sabemos ainda os efeitos em relação a essas variantes", explicou. 

Vacinas vencidas

O secretário também rebateu uma informação divulgada pelo jornal Folha de São Paulo em que mais de 26 mil doses de vacinas da AstraZeneca, fora da validade, foram aplicada em todo o país. O levantamento apontava que essas doses  foram utilizadas em Vitória, Serra, Cariacica, Vila Velha, Guarapari, São Mateus, Linhares e Cachoeiro de Itapemirim. 

"Toda a população capixaba recebeu a vacina dentro do prazo de validade sendo vacinas seguras e eficazes para garantir a proteção da população. Não existe nenhum motivo para que a população fique temerosa de ter recebido uma vacina vencida porque conseguimos garantir o cuidado e a aplicação das vacinas na nossa população. Nenhuma vacina vencida foi aplicada no Espírito Santo", ressaltou. Ele creditou a situação a erros de registros das doses e de suas aplicação.  

Acompanhe ao vivo: