Ciclista diz que estava fora da ciclovia do Minhocão no momento do atropelamento

Geral

Ciclista diz que estava fora da ciclovia do Minhocão no momento do atropelamento

Redação Folha Vitória

São Paulo - O administrador de empresas Gilmar Raimundo de Alencar, de 45 anos, condutor da bicicleta que atropelou o porteiro Florisbaldo Carvalho da Rocha, de 78 anos, declarou na tarde desta quarta-feira, 19, que não estava na ciclovia do Minhocão no momento do acidente. "Eu estava na faixa à esquerda da rua e ia cruzar para o outro lado, indo pegar a Avenida Pacaembu. O senhor (vítima) não deve ter me visto por causa da pilastra. Também não o vi", declarou.

Alencar prestou depoimento na tarde desta quarta-feira no 23° Distrito Policial, em Perdizes, zona oeste. A polícia fará uma reconstituição do acidente ainda nesta semana.

O administrador, que trabalha em uma empresa de Perdizes que gerencia fazendas, contou que há dois anos vai de bicicleta de sua casa, no Belém, zona leste, até o trabalho. Na segunda, dia do acidente, ele havia ido almoçar de bicicleta também, no centro. Ele disse que entrou na Avenida General Olímpio da Silveira pela rua e permaneceria nela até entrar em um acesso para o Pacaembu. "É um trecho pequeno, não vale pegar a ciclovia", explicou.

Ele seguia pela faixa da direita da rua e, quando o semáforo fechou, cruzou para a pista esquerda do mesmo sentido. Contou que seu objetivo era cruzar a via para o sentido oposto. "Mas o senhor não me viu", contou.

Segundo o delegado Lupércio Antônio Dimov, encarregado do caso, o administrador prestou socorro ao zelador, chamou resgate pelo celular e ainda foi à casa da família, no fim do dia, para saber o estado de saúde do idoso. "Foi assim que ele soube da morte", contou Dimov.

"Ele declarou que estava a mais ou menos 20 km/h. Não tem como uma bicicleta desenvolver muito mais velocidade que isso", continuou o delegado.

Fatalidade

Antes de deixar a delegacia, o administrador disse que as ciclovias são uma boa iniciativa e que ele as apoia. "Mas ali, com aquelas vigas bloqueando a visão, está muito mal feito."

Sereno e respondendo com calma as perguntas dos jornalistas, o administrador disse ainda que lamentava muito o acidente. "Não há nada que eu possa dizer que aliviará o sofrimento da família ou trazer o moço de volta. Mas quero que eles saibam que estou disponível para o que eles precisarem", disse.