Foz do rio Doce não secou, afirma Agência Nacional de Águas

Geral

Foz do rio Doce não secou, afirma Agência Nacional de Águas

Encontro entre representantes do órgão com entidades regionais de recursos hídricos e meio ambiente debateu as condições da bacia do rio Doce

Rio teve seu volume reduzido, mas não está secando, dia Ana Foto: Rose Duarte

Foi realizada nesta terça-feira (18) em Vitória uma reunião para debater a crise hídrica na Bacia Hidrográfica do Rio Doce, que banha os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. O encontro teve a presença de representantes da Agência Nacional de Águas (Ana) e da Agência Estadual de Recursos Hídricos do Espírito Santo (Agerh), além de técnicos do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Iema) e do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce.

De acordo com a assessoria da Ana, a reunião de trabalho foi realizada para condensar as informações de cada um dos órgãos a fim de subsidiar qualquer tomada de decisão quanto ao uso das águas do rio. Ficou mantida a não imputação de qualquer restrição quanto a utilização da nascente; mesmo com a redução do volume de água, de acordo com a avaliação do órgão regulador, não há necessidade de racionamento.

Quanto aos problemas de abastecimento detectados em Colatina e Governador Valadares, município mineiro, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce informou que trata-se de um defeito na regulagem das bombas de captação e não falta de água. 

A Agência Nacional de Águas informou ainda que acompanha a bacia e o curso do rio ininterruptamente desde 2010 e reiterou que a foz do rio Doce, que nasce em Minas Gerais e deságua no Espírito Santo, não está seca.

A bacia do Doce

O rio Doce nasce em Minas Gerais, nas Serras da Mantiqueira e do Espinhaço, e percorre 850 quilômetros até desaguar no Oceano Atlântico. Sua bacia hidrográfica abriga aproximadamente 3,5 milhões de habitantes, distribuídos em mais de 200 municípios mineiros capixabas, perfazendo um total de 86.715km2.