Presidente da Colômbia busca agir rápido para garantir acordo de paz com as Farc

Geral

Presidente da Colômbia busca agir rápido para garantir acordo de paz com as Farc

Redação Folha Vitória

Bogotá - O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, atua com celeridade para realizar um referendo nacional para encerrar o violento conflito de meio século com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Santos envia o texto do acordo ao Congresso já nesta quinta-feira.

"Hoje é o início do fim do sofrimento, da dor e da tragédia da guerra", disse Santos na noite de quarta-feira, em declarações televisionadas após o anúncio do acordo em Havana, depois de quatro anos de negociações. O presidente disse que haverá um referendo em 2 de outubro sobre a aceitação ou não do acordo com as Farc.

Santos disse que tornará todo o texto público na quinta-feira, ao entregá-lo formalmente ao Congresso. Os legisladores não podem bloquear a realização do voto popular sobre o tema.

O conflito já matou mais de 220 mil pessoas e forçou mais de 5 milhões a fugir de suas casas.

Pelo, entre as concessões de última hora está a de que as Farc manterão, como movimento político no futuro, um mínimo de dez cadeiras no Congresso durante dois períodos legislativos. Após 2026, os ex-rebeldes terão de provar sua força política nas urnas.

Os envolvidos no acordo foram parabenizados pela Organização das Nações Unidas e por governos da região. O presidente dos EUA, Barack Obama, também elogiou a iniciativa.

Pelo acordo, o governo colombiano se compromete a realizar uma agressiva reforma agrária, reformular sua estratégia de combate ao narcotráfico e expandir grandemente a presença estatal em áreas longamente negligenciadas.

A oposição colombiana deve converter a votação popular em um referendo sobre o presidente. A popularidade de Santos vem caindo e chegou a 21% em maio, segundo pesquisa Gallup, no menor patamar desde que ele chegou ao poder, em 2010. O baixo comparecimento também é uma preocupação porque um mínimo de 13% dos eleitores registrados, ou cerca de 4,4 milhões de eleitores, precisam votar a favor do acordo para que ele seja ratificado. Fonte: Associated Press.