• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Espírito Santo tem melhor nota do país no ensino médio público

Geral

Espírito Santo tem melhor nota do país no ensino médio público

Os dados são da edição 2017 do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), importante para medir o desempenho dos alunos brasileiros

A rede pública do Espírito Santo tem o melhor resultado do País nas disciplinas de Português e Matemática no ensino médio, consideradas as etapas mais críticas da educação básica brasileira. Os dados são da edição 2017 do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), importante para medir o desempenho dos alunos brasileiros. 

O sistema público do Estado teve média de 281,1 pontos em Matemática e 276,7 pontos em Português, em uma escala de zero a mil, resultado superior à média pública nacional (259,7 nas duas). 

A prova, que existe desde 1995, é aplicada pelo Ministério da Educação (MEC) para todos os estudantes do 5º ano e 9º ano do ensino fundamental e do 3º do médio da rede pública. Na última edição, escolas privadas puderam se voluntariar a participar (até 2017, o MEC selecionava esse grupo por amostragem). Essas notas são usadas para compor o Índice de Desempenho da Educação Básica (Ideb), que é bianual e inclui dados de aprovação.

Entre as redes públicas, 15 Estados registraram piora em pelo menos uma das duas disciplinas no ano passado em relação ao exame anterior (2015). Último do ranking, o Pará teve o principal recuo (redução foi de 12,6 pontos em Português e 13,5 em Matemática). Embora não esteja nem entre os dez primeiros da lista, a rede pública do Ceará registrou o maior avanço entre as duas edições (11,4 e 7,2 pontos, respectivamente).

Os dados do MEC também revelam as desigualdades entre Estados e faixas socioeconômicas. O desempenho médio das escolas de menor nível socioeconômico de Espirito Santo, por exemplo, é semelhante ao desempenho médio das escolas com melhor nível socioeconômico no Amapá. Internamente, o Distrito Federal apresenta a maior disparidade entre os mais ricos e os mais pobres.