Trecho da BR 262 no ES terá três praças de pedágio com tarifas iniciais de R$ 7,41

Geral

Trecho da BR 262 no ES terá três praças de pedágio com tarifas iniciais de R$ 7,41

O plano para concessão da rodovia foi aprovado e agora segue para o Tribunal de Contas da União; o período de concessão deve ser de 30 anos e o investimento estimado para as rodovias no ES e em MG é de R$ 7,73 bilhões

Foto: Divulgação EPL

O governo Federal deu mais um passo para a concessão da BR 262 à iniciativa privada. Em publicação no Diário Oficial, na segunda-feira (10), o Ministério da Infraestrutura divulgou a aprovação do Plano de Outorga apresentado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres que visa à concessão para exploração da rodovia.

A concessão vai desde o entroncamento BR-381 em João Monlevade, Minas Gerais, até o entroncamento com a BR-101 em Viana. Além disso, o plano prevê a concessão de trechos da BR-381, de Belo Horizonte a Governador Valadares, em Minas Gerais.

De acordo com o Plano, no Espírito Santo serão três praças de pedágio, localizadas em Viana, Ibatiba e Venda Nova do Imigrante. A projeção inicial das tarifas é de R$ 7,41.

O período de concessão deve ser de 30 anos e o investimento estimado para as rodovias é de R$ 7,73 bilhões. Entre as melhorias nas pistas estão previstas a implantação de viadutos, passarelas e duplicação de vias. 

"Atualmente, as rodovias possuem elevado volume de tráfego e índice de acidentes. Por isso, é extremamente necessária a duplicação total do trecho. A concessão da rodovia vai ampliar a capacidade da via, reduzindo o custo do transporte e o tempo de viagem desde o oeste do estado de Minas Gerais até os portos do estado do Espírito Santo", explica o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. 

Agora o Plano de Outorga segue para o Tribunal de Contas da União (TCU) e, se for aprovado, a rodovia segue para leilão. A expectativa é de que o processo seja finalizado ainda neste ano e que a partir de 2021 uma concessionária já tenha o poder de administração da via.

* Com informações do Ministério da Infraestrutura