Espírito Santo avalia a antecipação da segunda dose para pessoas com mais de 40 anos

Geral

Espírito Santo avalia a antecipação da segunda dose para pessoas com mais de 40 anos

Há uma previsão de aumento no número de novos casos no ES. A informação foi passada pelo Secretário Estadual de Saúde, Nésio Fernandes, durante coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (23)

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu, nesta segunda-feira (23), uma coletiva de imprensa onde atualizou as informações sobre o enfrentamento à covid-19 no Espírito Santo.

Foto: Divulgação/ Sesa

Nésio começou a coletiva enfatizando a importância da testagem da população para conter o avanço da pandemia no Espírito Santo. Segundo ele, há 16 dias, a curva de internações de pacientes na rede hospitalar, que estava em declínio, estabilizou. A queda na curva de óbitos permanece. 

"A queda de óbitos se mantem sustentada no nosso estado. Não tivemos interrupção. Desta maneira nós prevemos que o próximo período pode apresentar dois cenários: no primeiro, podemos observar uma dissociação da triagem casos-internações-óbitos. O avanço da vacinação irá fazer com que o comportamento da curva, conhecido anteriormente, onde havia uma simetria correspondente, comece a se distanciar".

Porém, o registro de novos casos da doença vem crescendo. "O estado possui uma fotografia deste momento da pandemia que desenha um comportamento de crescimento na curva de casos observados de covid-19. No painel Covid-19  podemos observar uma interrupção na queda, já desenhando um crescimento", ressaltou.

Diante da instabilidade do cenário e a possibilidade de um aumento nas internações, a Sesa decidiu manter abertos 300 leitos exclusivos para o tratamento da doença na rede pública de atenção a saúde.

"Reconhecemos que existe uma potência grande de subnotificações de casos observados no ES determinado por dois fenômenos principais: o primeiro, com o avanço da vacinação, o esgotamento psíquico coletivo, das estratégias de comunicação, redução da percepção de risco, temos cada vez mais casos leves e com características subclínicas".
"Com a instabilidade do cenário e a possibilidade de haver um crescimento da curva de internações, vamos manter pelo menos 300 leitos de uti para o mês de setembro como uma medida prudente no processo de reversão de leitos. Existe um comportamento de instabilidade, principalmente pelo comportamento de estados vizinhos e pelo risco da variante delta".

O secretário lembrou que a população que está vacinada não está impedida de contrair o vírus e desenvolver formas leves da doença. 

"Da mesma forma, muitos serviços de saúde não reconhecem formas leves e subclínicas como suspeitos. Desta maneira, quando a percepção da população sobres os sinais e sintomas quando dos profissionais da saúde ficam prejudicadas, reduzindo a demanda por testagem".

A Sesa aposta na possibilidade de que nas próximas semanas o estado apresente um aumento na quantidade de casos com a disponibilização de mais testes de antígenos, com a chegada de mais 60 mil testes ao longo desta semana.

"E com o incremento, com os instrumentos de testagem de RT/PCR, nós, então, poderemos identificar o crescimento da curva de casos observados considerando a ampliação da testagem e também o aumento da exposição das pessoas em atividades de risco".

O ES avalia a antecipação da D2 para pessoas com mais de 40 anos de idade

Segundo Nésio, o estado vai perseguir estratégias para garantir a população acima de 40 anos a antecipação da D2. São estratégias que podem combater o aumento do crescimento de internações e preservação da queda de óbitos.

"Ao longo das próximas semanas, até o inicio de setembro, o estado irá avaliar a possibilidade de antecipar a D2 AstraZeneca e Pfizer para pelo menos oito semanas como medida de antecipar os benefícios da dose de reforço na população com mais de 40 anos que é a população que representa a maior quantidade de pacientes internados com covid-19 no Brasil e no ES".

Nésio ressaltou que a segunda dose representa um reforço necessário para redução de modo robusto das internação e os óbitos na população que mais evolui em condições críticas da doença. "Temos a perspectiva de poder construir medidas que foquem na aceleração do processo de imunização da população", pontuou.

Para Nésio, o país precisa ajudar no fortalecimento da confiança da população nos imunizantes. 

Com relação as máscaras, o secretário lembrou ainda que o uso delas não deve ser abandonado, em todos país, até que a pandemia esteja controlada. Elas deverão ser mantidas em ambientes fechados, como coletivos, por exemplo. Hábitos que terão que ser mantidos pela população a longo prazo.

Grande quantidade de pessoas está com a segunda dose da vacina atrasada, segundo a Sesa

"Desde a segunda quinzena de abril, se mantém numa baixa quantidade de casos de pessoas internadas. Além da segunda dose da vacina, lembramos que tem uma grande quantidade de pessoas com a segunda dose atrasada. Estamos fazendo uma busca ativa dessas pessoas."

O secretário informou que nas próximas semanas haverá uma grande intensificação na aplicação da D2 no Espírito Santo.

Em 36 horas, 150 mil doses foram aplicadas no ES durante o mutirão de vacinação

"Tivemos recentemente um grande mutirão da vacinação, que alcançou em 36 horas, 150 mil capixabas com a primeira dose. Isso representa uma ampla capacidade de articulação dos gestores municipais, do governo do ES e do envio das doses pelo MS".

Nésio disse que, no entanto, a vacinação da população acima de 40 anos de idade com a segunda dose e dos idosos com a terceira dose, especialmente o grupo que recebeu a vacina há mais de seis meses, independente de qual vacina, representa as principais medidas para impedir que o pais viva um novo momento de crescimento de óbitos. 

"Aqui no estado vamos perseguir estratégias capazes de, no mês de setembro, garantir a população com mais de 40 anos a antecipação da D2 e dos idosos o reforço com a D3 de vacinas heterólogas. Essas estratégias podem combater um cenário de crescimento no número de internação e óbitos e a consolidação da queda das internações e preservação da queda dos óbitos o ES.

ES não deverá adotar amplas medidas de restrições de atividades econômicas e sociais

Durante a entrevista coletiva, o secretário de saúde disse que diante do cenário atual, o estado avalia que medidas maiores e mais abrangentes não deverão ser adotadas, nesse momento. 

"Entendemos que algumas medidas vinculadas as atividades de entretenimento, principalmente , podem ser adotadas nas próximas semanas dependendo do comportamento sustentado do crescimento no número de casos".
"Vamos insistir e apostar em estratégias e protocolos que reconheçam o grau de proteção das vacinas na população e, de modo que as atividades que tenham a participação de pessoas imunizadas possam ser privilegiadas nas medidas qualificadas nos próximos períodos".

Leia mais:

>> Espírito Santo alcança nota máxima em transparência nos dados da vacinação

>> Seis em cada dez capixabas já receberam pelo menos uma dose de vacina contra covid-19