Hilário se encontrou com garota de programa após morte de Milena, diz investigador da PC

JULGAMENTO DO CASO MILENA GOTTARDI

Geral

Hilário se encontrou com garota de programa após morte de Milena, diz investigador da PC

Registros no aparelho celular do ex-marido da médica assassinada mostram que sites pornográficos foram acessados após o crime

Foto: TV Vitória

O segundo dia do julgamento do caso Milena Gottardi segue com os depoimentos das testemunhas de acusação. O segundo interrogatório do dia foi com o investigador da Polícia Civil Igor de Oliveira Carneiro. Ele foi ouvido por cerca de duas horas e meia, entre 11h50 e 14h20.

De acordo com Carneiro, investigações realizadas no aparelho celular de Hilário Frasson, ex-marido da médica assassinada, mostram que ele acessou sites pornográficos após reconhecer o corpo de Milena no Departamento Médico Legal (DML), e se encontrou com garota de programa dias após o crime.

O investigador falou ainda sobre a análise da troca de informações entre os réus. No aparelho de Hilário, também foram encontrados registros das ligações realizadas nos dias anteriores ao crime. Dentre elas, houve chamadas para Milena, para o pai e para Valcir, também réus no processo.

Leia também:
>> 'Milena falava que havia um regime militar na casa', diz testemunha de julgamento
>> Milena chegou a se disfarçar usando peruca para procurar advogado, diz amiga de médica
>> Coordenadora da escola das filhas de Milena relata hematoma dez dias antes do crime

Um dia antes do crime, Hilário teria apagado o contato de Valcir no próprio celular. Após a execução, o ex-policial civil teria trocado de linha e aparelho.

O que também chamou a atenção nas investigações foi o fato de Hilário ter se voluntariado para cumprir plantões no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em dias anteriores e após o crime. Segundo o investigador, não é comum que policiais se disponham voluntariamente para esta finalidade.

Por meio de uma Estação Rádio Base (ERB), os investigadores conseguiram rastrear as chamadas realizadas entre os réus. O sistema é capaz de descobrir onde a pessoa estava por meio do acionamento das torres do celular, usando tecnologia 4G. 

Foram identificadas 68 chamadas entre Esperidião e Valcir; 63 entre Hilário e Valcir e 310 ligações realizadas entre Hermenegildo e Valcir, apontados como intermediários do crime.

O investigador também negou que tenha havido tortura dentro da delegacia durante oitiva dos réus. O depoimento começou por volta das 11h50.

Leia também: Julgamento do caso Milena Gottardi: 2º dia terá depoimento do irmão da médica

Defesa de um dos réus questionou rastreamento das ligações

A defesa de Esperidião contestou informações do inquérito policial referentes ao rastreamento do aparelho celular do réu, pois o colocava em locais diferentes em poucas horas. 

O documento apontava que, em determinado dia, Esperidião estaria no distrito de Timbuí, em Fundão, e poucas horas depois na região de Maria Ortiz, em Vitória. Durante o depoimento, o investigador pediu para ver os extratos das ligações e de geolocalização e confirmou que naquele trecho do documento havia equívocos. 

O advogado de Hilário, por sua vez, afirmou que o ex-policial civil estava em negociação com um dos réus para comprar um cavalo e, por isso, as constantes ligações registradas. A defesa do réu disse, ainda, que ele é fundador de um clube de cavalos.

Julgamento pode durar uma semana

O julgamento dos réus, de acordo com o Tribunal de Justiça do Espírito Santo, pode, inicialmente, ter a duração de uma semana.

As etapas dos trabalhos podem durar mais tempo devido ao número de réus e de testemunhas. Serão 29 ao todo, sendo 19 convocadas pelas defesas dos acusados e 10, pela acusação.

Estão no banco dos réus Hilário Frasson, Esperidião Frasson, Dionathas Alves, Hermenegildo Palauro Filho, Valcir da Silva Dias e Bruno Broetto.

Ao chegar no Fórum de Vitória nesta terça, a mãe de Milena Gottardi, Zilca Maria Gottardi, falou sobre a decisão de deixar o júri após a entrada dos réus no primeiro dia de julgamento.

O advogado de defesa de Hilário Frasson, Rodrigo Bandeira de Melo, também conversou com a imprensa antes de entrar para o julgamento.

Ele destacou que o primeiro dia foi marcado por depoimentos emocionantes e espera um julgamento tranquilo e respeitoso.

Leia também: Saiba como foi o primeiro dia de julgamento dos seis réus do caso Milena Gottardi

No primeiro dia do julgamento, nesta segunda-feira (23), a movimentação em frente ao Fórum Criminal de Vitória começou bem cedo, por volta das 7h30. Familiares da médica usaram camisas e faixas pedindo justiça.

Além disso, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo (OAB-ES) também fizeram uma manifestação no local.

O júri é composto por quatro mulheres e três homens. A definição do corpo de jurados não foi nada tranquila no momento do sorteio.

Dez mulheres foram recusadas pelos advogados de defesa. Houve ainda três recusas de homens. Os promotores do Ministério Público Estadual aceitaram a justificativa de um homem que não quis participar.

Houve ainda duas dispensas, pois uma mulher tinha um familiar envolvido no processo e outra foi dispensada por problemas médicos.