Hilário tentou impedir que Milena contratasse advogada para processo de divórcio

JULGAMENTO DO CASO MILENA GOTTARDI

Geral

Hilário tentou impedir que Milena contratasse advogada para processo de divórcio

Advogada disse que Hilário monitorava o WhatsApp de Milena, pois sabia que ela estava querendo contratar um advogado para tratar da separação do casal

Rodrigo Araújo e Marcelo Pereira

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução

O ex-policial civil Hilário Frasson, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da ex-esposa, a médica Milena Gottardi, em 2017, teria tentado impedir que a vítima procurasse um advogado para dar entrada no processo de separação. A informação foi dada pela advogada Ana Paula Morbeck, que representou Milena no processo do divórcio.

Ana Paula foi a terceira testemunha a prestar depoimento nesta terça-feira (24), durante o júri popular dos seis acusados de participação no assassinato da médica — entre eles, Hilário Frasson.

Em seu depoimento, que começou por volta das 15h35, a advogada disse que Hilário monitorava o WhatsApp de Milena, pois sabia que ela estava querendo contratar um advogado para tratar da separação do casal.

De acordo com a testemunha, a médica tinha certeza de que seu WhatsApp e e-mail estavam sendo monitorados pelo marido. Por isso, ela arrumou um celular de padrão antigo e só se comunicava com a advogada por meio de mensagens via SMS.

Segundo Ana Paula, Hilário chegou a procurar a sócia da advogada para que ela o defendesse no processo de separação. No entanto, a sócia se recusou a representar Hilário, já que Ana Paula já estava como advogada de Milena no mesmo caso.

A testemunha acredita que o ex-policial civil fez isso para tentar impedir que Milena contratasse o serviço de advocacia daquele escritório. Com isso, Hilário foi atrás de outro advogado, Hélio Belloti.

Ana Paula relatou também que, em determinado dia, o acusado foi até o escritório dela ostentando uma arma e sendo rude e agressivo com a sócia.

Milena foi morta na véspera de assinar o divórcio

A advogada relatou que, durante o processo de separação, foi feito um acordo entre as partes, no qual se pedia três meses para concretizar ou não o divórcio. 

Nesse período, segundo Ana Paula, Milena ligou para ela dizendo que Hilário estava indo armado à escola das filhas e que se sentia vigiada e perseguida pelo marido.

"Mandei um email para o advogado do Hilário (Hélio Belloti) na quarta-feira a respeito do acordo. Na quinta-feira, Milena foi baleada. Na sexta, seria o dia em que a gente iria se reunir para assinar o divórcio, mas ela estava morta", lembrou.

A advogada relatou também que Hilário chegou a propor um acordo para que Milena voltasse ao apartamento do casal. No entanto, ela disse que só voltaria se ele não estivesse mais lá. Ela, inclusive, teria se proposto a pagar um aluguel para Hilário.

Leia também:
>>
 Mesmo que seja condenado, Hilário terá direito à metade do patrimônio de Milena Gottardi
>> Médica que presenciou o crime diz que Milena Gottardi sentiu que "tudo havia se acabado para ela"
>> Hilário se encontrou com garota de programa após morte de Milena, diz investigador da PC
>> Polícia identificou 63 ligações entre Hilário e suspeito de intermediar morte de médica

Julgamento pode durar uma semana

O julgamento dos réus, de acordo com o Tribunal de Justiça do Espírito Santo, pode, inicialmente, ter a duração de uma semana.

As etapas dos trabalhos podem durar mais tempo devido ao número de réus e de testemunhas. Serão 29 ao todo, sendo 19 convocadas pelas defesas dos acusados e 10, pela acusação.

Estão no banco dos réus Hilário Frasson, Esperidião Frasson, Dionathas Alves, Hermenegildo Palauro Filho, Valcir da Silva Dias e Bruno Broetto.

Ao chegar no Fórum de Vitória nesta terça-feira, a mãe de Milena Gottardi, Zilca Maria Gottardi, falou sobre a decisão de deixar o júri após a entrada dos réus no primeiro dia de julgamento.

O advogado de defesa de Hilário Frasson, Rodrigo Bandeira de Melo, também conversou com a imprensa antes de entrar para o julgamento.

Ele destacou que o primeiro dia foi marcado por depoimentos emocionantes e espera um julgamento tranquilo e respeitoso.

LEIA TAMBÉM: Saiba como foi o primeiro dia de julgamento dos seis réus do caso Milena Gottardi

Entenda a participação dos acusados na morte de Milena

Foto: Arte/Julio Lopes