• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Até dois anos de estudos para quem quer passar em concurso no Espírito Santo

Geral

Até dois anos de estudos para quem quer passar em concurso no Espírito Santo

Na semana passada a Polícia Federal lançou o edital para o concurso que deverá ser realizado em dezembro deste ano. Serão 600 vagas com um salário inicial de aproximadamente R$7.500

O conteúdo programático é vasto e varia de acordo com cada prova. Foto: Reprodução

Passar em um concurso público é o sonho de muita gente que busca uma estabilidade financeira e um emprego fixo. Prova disso é que as salas de aula dos cursos preparatórios estão sempre lotadas. Para este ano estão abertas vagas para a Polícia Federal e a expectativa é de que até dezembro INSS e Tribunal de Justiça também lancem seus editais.

Na semana passada a Polícia Federal lançou o edital para o concurso que deverá ser realizado em dezembro deste ano. Serão 600 vagas com um salário inicial de aproximadamente R$ 7,5 mil e já tem muita gente se preparando para ser aprovado neste e em outros concursos que devem ser realizados até o fim do ano.

Mas ser aprovado em concursos como estes requer esforço e dedicação. Segundo especialistas, são necessários no mínimo de um ano e meio a dois anos para conseguir ser aprovado.

De acordo com a coordenadora Pedagógica, Ivone Goldner, de um centro preparatório da capital capixaba, a vida de um concurseiro não é fácil. É preciso muita disciplina, mas o resultado e o investimento compensam. “A única forma de uma pessoa conseguir aprovação em um concurso é estudar exaustivamente o conteúdo programático do concurso. Para conseguir enfim fazer a prova e responder as questões. Se alguém pensa que vai fazer a prova sem ter esgotado o conteúdo programático está enganado”, afirma Goldner.

Maritza registra nas paredes e portas todos os lembretes importantes Foto: Reprodução

A parede do quarto da concurseira Maritza Berguer parece mais um caderno de anotações, toda rabiscada, onde Maritza registra tudo o que de mais comum cai em provas de concursos pelo país. Basta olhar para frente para lembrar, uma espiadinha para o lado e mais um lembrete na porta do armário. Esta é a rotina de uma concurseira formada em direito há dois anos. A estudante nem pensou em seguir carreira jurídica, quer passar em um concurso por isso pega pesado nos estudos.

“Pela manhã estudo de 9 horas ao meio dia, a tarde inicio às 14 e vou até às 18 horas. Dou uma caminhada na praia e retorno aos estudos a noite”, confessa Maritza.

Em dois anos Maritza já tentou quatro concursos, no último em Goiás teve boa colocação e espera ser chamada em breve. Mesmo assim, não para de estudar em busca de uma aprovação perto de casa.