Número de formandos no ensino superior cai em 10 anos

Geral

Número de formandos no ensino superior cai em 10 anos

A proporção de concluintes em relação ao número total de estudantes do ensino superior também caiu: em 2013, os formandos representavam 36%. Em 2010, esse índice era de 45%

Redação Folha Vitória

Brasília - O número de formandos no ensino superior caiu pela primeira vez nos últimos 10 anos. A redução, de 5,6%, aconteceu especialmente entre alunos de instituições privadas e em cursos a distância. Os dados do Censo da Educação Superior, divulgado nesta terça, 09, pelo Ministério da Educação (MEC), mostram que o número de formandos no ano passado foi de 991.010, 59,4 mil a menos do que em 2012.

O ministro da Educação, Henrique Paim, afirmou em coletiva de imprensa no ministério, em Brasília, que a queda nos programas de ensino a distância são compreensíveis. "Foram turmas específicas, criadas para uma determinada formação. Quando o curso acabou elas não foram renovadas", disse. Já no caso da queda nas privadas, Paim afirma que serão necessários mais estudos para descobrir as causas.

A proporção de concluintes em relação ao número total de estudantes do ensino superior também caiu: em 2013, os formandos representavam 36%. Em 2010, esse índice era de 45%.

De acordo com o presidente do Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas Educacionais (Inep), José Francisco Soares, essa queda na proporção se explica pelo aumento considerável no número de vagas novas abertas no ensino superior. Como um estudante leva de 4 a 5 anos, no mínimo, para terminar a graduação, é natural que, hoje, tenha mas alunos entrando do que saindo.

Matrículas

O número de matrículas no ensino superior alcançou 7,3 milhões em 2013. Em 10 anos, o número de estudantes em cursos superiores cresceu 85,6%. Esse ritmo, no entanto, vem caindo desde 2008, quando cresceu mais de 10% em ano. Entre 2012 e 2013, o aumento foi de apenas 3,9%, embora o número de jovens brasileiros de 18 a 24 anos que estejam no ensino superior ainda esteja em 17,5% nos últimos dados divulgados pelo Ministério da Educação, quando a meta é chegar a 35%.