Fogo já destruiu no ano área de 2.190 hectares de matas em unidades protegidas

Geral

Fogo já destruiu no ano área de 2.190 hectares de matas em unidades protegidas

Redação Folha Vitória

Sorocaba - O fogo já destruiu este ano 2.190 hectares de matas em vinte unidades de conservação protegidas por lei no interior do Estado de São Paulo. A superfície queimada equivale a 2,5 mil campos de futebol. De acordo com levantamento da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, apenas na Estação Ecológica de Mogi Guaçu, no município do mesmo nome, foram consumidos 754 hectares. A segunda unidade mais atingida, o Parque Estadual de Juquery, em Franco da Rocha, perdeu 265 hectares para o fogo.

A repetição dos incêndios agravou os danos à floresta e acarretou perdas significativas à fauna e à flora dessas unidades, que podem levar décadas para serem recuperadas, segundo a Secretaria. Somente na Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade, em Rio Claro, foram registrados 12 incêndios, um a mais que as queimadas notificadas no Parque Estadual de Itapetinga, em Atibaia. Um dos incêndios, que não teve a extensão calculada, atingiu o Parque Estadual Carlos Botelho, que abriga a maior população brasileira de monos-carvoeiros, além de exemplares da onça-pintada, espécies fortemente ameaçadas na natureza.

No rastro do fogo, foram encontrados animais mortos ou feridos, como tamanduá-bandeira, bugio e onça-parda. No geral, contadas as matas não incluídas em unidades de conservação, as queimadas cresceram 70% de janeiro a setembro deste ano, segundo o levantamento da Secretaria. Até o último dia 20, foram registrados 2.892 queimadas, contra 1.704 no mesmo período de 2015. Entre as causas das queimadas estão a soltura de balões, a queima da palha de cana-de-açúcar para colheita e o uso do fogo para limpar terrenos, além de cigarros acesos lançados à margem de rodovias.

O inverno seco, com temperaturas acima da esperada, contribuiu para a disseminação das queimadas. Na tarde desta quinta-feira, 29, duas regiões do interior de São Paulo estavam em estado de alerta, caracterizado pelo índice de umidade do ar entre 12% e 20%. Em Campinas, o índice era de 15% e em Ribeirão Preto, de 14%.