• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Projeto para nova cobertura do Terminal Itaparica deve custar R$ 230 mil

  • COMPARTILHE
Geral

Projeto para nova cobertura do Terminal Itaparica deve custar R$ 230 mil

Nesta segunda-feira (03), o Instituto De Obras Públicas do Espírito Santo (IOPES) publicou no Diário Oficial o comunicado sobre a licitação

Foto: Divulgação

A elaboração do projeto básico detalhado para a reconstrução do Terminal Itaparica, em Vila Velha, deve custar pouco mais de R$ 230 mil para a Secretaria de Transportes e Obras Públicas do Estado (Setop). Nesta segunda-feira (03), o Instituto De Obras Públicas do Espírito Santo (IOPES) publicou no Diário Oficial o comunicado sobre a licitação.

O projeto básico detalhado é composto por informações de arquitetura e complementares de engenharia. O valor máximo estipulado pelo Iopes é de R$ 230.501,25. 

As empresas interessadas devem entregar os envelopes até as 14 horas do dia 19 de setembro. A abertura e julgamento das propostas devem ocorrer no mesmo dia, logo após encerrado o prazo de entrega.

O Terminal de Itaparica permanece fechado para reforma desde o dia 20 de julho. Segundo informações da Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb), a interdição preventiva visa regularizar problemas na execução do projeto original.

Diversas linhas que operam no Terminal Itaparica foram realocadas para os Terminais Ibes e Vila Velha. Na ocasião, o diretor-presidente da Ceturb, Alex Mariano, a interdição é por tempo indeterminado.

Quase um mês após a interdição, o Secretário de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop), Paulo Ruy Carnelli, anunciou que o prazo final para a retomada das operações no Terminal Itaparica seria de 1 ano e 2 meses, ou seja, em outubro de 2019.

Inaugurado em 2009, o terminal é um dos mais novos da Grande Vitória e custou mais de R$ 8 milhões. Os estudos sobre problemas na estrutura do Terminal de Itaparica começaram após a retirada, em 2015, de marquises que apresentavam riscos de queda. Em 2013, a primeira parte delas havia despencado, durante as fortes chuvas registradas na época.