Motoboy arrastado por carro durante briga de trânsito em Guarapari recebe alta

Geral

Motoboy arrastado por carro durante briga de trânsito em Guarapari recebe alta

Crime resultou na morte da companheira do piloto da moto, Franciani Bueque da Silva. Nesta quinta-feira (02), uma semana após o acidente, familiares fizeram um protesto nas ruas da cidade

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Webster teve alta após ficar internado durante uma semana

O motociclista que ficou ferido após ser atropelado e arrastado pelo carro dirigido pela engenheira Karen Keithy Morais, de 36 anos, em Guarapari, teve alta hospitalar no início da tarde desta quinta-feira (02), uma semana após o crime. 

Segundo familiares, o motoboy Webster Luiz Santos Lopes, de 19 anos, deixou o hospital e está na casa de um amigo, na localidade de Amarelos, no mesmo município. 

No dia do crime, o rapaz foi socorrido com fraturas nas costelas e traumatismo craniano, e precisou ser internado no Hospital Estadual de Urgência e Emergência de Vitória. Segundo familiares, ele chegou a ficar em coma.

Na ocasião, a companheira dele, a garçonete Franciani Bueque da Silva, de 32 anos, não resistiu e morreu no local. A moto em que o casal estava foi arrastado pelo carro da engenheira após uma briga de trânsito, no último dia 26.

A colisão aconteceu na Rua Jacinto de Almeida, na região do Parque Areia Preta. Segundo a Polícia Militar, a motorista do automóvel perseguiu a motocicleta onde estava o casal

O carro de passeio atingiu e arrastou a moto por cerca de 300 metros. Após a batida, a motocicleta ficou presa embaixo do carro de passeio.

Leia também: "Isso não foi acidente. Ela arrastou a moto", diz tia de jovem morta após briga de trânsito

A engenheira foi autuada em flagrante por homicídio consumado e um tentado, ambos qualificados pelo motivo fútil. Ela está presa no Centro Prisional Feminino de Cariacica.

Na última sexta-feira (27), a Justiça decretou a prisão preventiva de Karen. Ela chegou a dizer à polícia que cometeu o crime porque estava "tomada pelo ódio".

Familiares protestam em Guarapari e pedem justiça

Para lembrar o caso, familiares e amigos do casal realizaram um protesto, na tarde desta quinta-feira, no centro de Guarapari. 

O pequeno grupo seguiu pelas ruas do município, com cartazes, pedindo aos motoristas mais paciência e paz no trânsito, além de justiça na morte de Franciani.

Os manifestantes chegaram a ocupar a pista da rua Simplício Almeida Rodrigues, mas não chegaram a impactar no trânsito.

Foto: Fernanda Batista / TV Vitória
Familiares das vítimas realizaram um protesto, na tarde desta quinta-feira, no centro de Guarapari

A mãe de Webster, Kely Cristina Conceição dos Santos, esteve no protesto e disse que ficou aliviada pela recuperação do filho. No entanto, lamenta a morte da nora, que, segundo ela, era uma mulher trabalhadora e que deixou dois filhos — ambos de outro relacionamento.

Segundo ela, Webster ainda se recupera física e emocionalmente do confusão, que terminou com a morte da moça com quem ele mantinha um relacionamento havia quatro anos. Por isso, preferiu não participar do protesto

A mãe do rapaz disse ainda que ele vai continuar a recuperação na casa dela, em Marechal Floriano, na região serrana do estado. Já os dois filhos de Franciane estão sob os cuidados de familiares.

Com informações da repórter Fernanda Batista, da TV Vitória/Record TV