• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Chuva de granizo e temporal provocam estragos em municípios do interior do Espírito Santo

Geral

Chuva de granizo e temporal provocam estragos em municípios do interior do Espírito Santo

Parte de uma parede de oito metros do estacionamento do polo da Ufes desabou, assustando quem estava no estabelecimento de ensino. Carros foram danificados

Com a parede danificada, fios se soltaram da rede elétrica e os alunos foram liberados Foto: Divulgação

As fortes chuvas que atingiram vários municípios capixabas na noite e madrugada desta terça-feira (21) causaram estragos e provocaram medo e pânico em moradores. De acordo com a Defesa Civil Estadual, às 21 horas da última segunda-feira (20), os profissionais receberam uma mensagem que alertava sobre o mau tempo nas regiões de Cachoeiro de Itapemirim, Marechal Floriano, Colatina, Aracruz e Vitória. Confira a galeria de fotos. 

De acordo com o alerta, chuva com até 150 milímetros era prevista. Mas, a tempestade atingiu municípios que não estavam na lista de atenção, como é caso de Afonso Cláudio, com fortes ventos e muita chuva. Parte de uma parede de oito metros do estacionamento do polo da Ufes desabou, assustando quem estava no estabelecimento de ensino.

Segundo Balbino Vargas, coordenador do polo atingido, além de desespero, a chuva causou prejuízos materiais. “Foi horrível. Estava dentro da faculdade quando ouvi um estrondo muito forte. Um aluno que estava do lado de fora junto com o vigilante correu para dentro do pólo. Os pedaços de concretos caíram em cima dos vidros dos carros, inclusive o meu também foi atingido”, conta.

Ainda de acordo com Vargas, os alunos dos cursos onlines de licenciatura faziam uma prova na ocasião. Com a parede danificada, fios se soltaram da rede elétrica e os alunos foram liberados.

A destruição também atingiu a cidade de Baixo Guandu. A rodovia ES 446, que liga o município a Aimorés, Minas Gerais, ficou interditada por seis horas devido um telhado de um galpão ter sido arrancado pelo vento, caindo na rodovia. A tempestade, acompanhada de granizo e muito vento, destelhou casas e desabrigou momentaneamente uma família. De acordo com os militares do Corpo de Bombeiros de Baixo Guandu, dois postes também foram derrubados com o temporal.

A chuva acompanhada das pedras de gelo surpreendeu moradores de Pedra Azul e Brejetuba, na região Serrana do Espírito Santo, provocando estragos em residências e lavouras. 

Governo diz que ES está preparado para o período das chuvas
A Defesa Civil Estadual já se prepara para atuar no período das chuvas. Os meses de outubro, novembro e dezembro são considerados os mais chuvosos do ano e para atender possíveis desastres naturais ocasionados pelas fortes chuvas, a Defesa Civil monitora as condições climáticas em todo o Espírito Santo.

De acordo com o coordenador do órgão estadual, coronel Carlos Marcelo Disep Costa, o Estado já possui um radar que está instalado em Aracruz. “A análise dos dados emitidos por esse radar é feita por meteorologistas que ficam no Incaper 24 horas por dia, durante todos os dias da semana. Com as coordenações informadas é possível antecipar medidas de atendimento e socorro. Acredito que estamos preparados para atender a qualquer situação de desastre, a exemplo do ano passado, quando registramos a maior chuva de toda a história do Espírito Santo”, diz o coronel.

Quando há o alerta, o monitoramento do local é feito em conjunto com os servidores das regionais e os coordenadores de defesa civil de cada município. Todos os envolvidos seguem o previsto no Plano Estadual de Proteção e Defesa Civil, um plano de contingenciamento que envolve diversos órgãos de governo para o atendimento das vítimas das chuvas.

Atualmente, 58 municípios do Estado têm suas áreas de risco mapeadas. O coronel Disep ressalta que equipes fazem o acompanhamento direto aos municípios que mais sofrem com as chuvas e vistorias são realizadas periodicamente. Em casos de desastres naturais, a Defesa Civil Estadual avalia quando é necessário decretar situação de emergência ou estado de calamidade pública.