Professora trabalhou tema da Redação do Enem nos últimos anos

Geral

Professora trabalhou tema da Redação do Enem nos últimos anos

Além de ter desenvolvido várias atividades argumentativas em sala, Giselle Casotti ainda apostou no tema violência contra a mulher na véspera da prova

Professores que acompanharam a edição 2015 do Enem foram praticamente unânimes em dois pontos com relação ao Exame Nacional do Ensino Médio: as provas deste ano foram as mais difíceis da história e o tema da Redação não poderia ter sido mais atual.

Professora de Língua Portuguesa, Redação e Espanhol, de Ensino Fundamental e Ensino Médio, do Colégio Renovação, e da escola municipal Elzira Vivaqua  dos Santos, ambos em Jardim Camburi, Vitória, Gisele Casotti faz parte do time de educadores que deu nota 10 para a tema da Redação.

“Ele não poderia ter sido mais atual, urgente e pertinente . Notícias sobre violência contra a mulher, seja ela física, moral, psicológica ou social, são diárias na mídia. São registros de casos reais, em que o machismo impera e traz à tona a polêmica discussão sobre o assunto. Mesmo já havendo tantas denúncias, sabemos que ainda há situações de anonimato, nas quais a vergonha ou o medo escondem a dor. Levar, então, o tema à proposta de Redação foi uma feliz ideia, já que fazer com que os candidatos escrevam e argumentem sobre o problema é uma forma de mostrar à sociedade que apesar de tantas campanhas e novas leis, a violência contra a mulher ainda assusta e incomoda”, argumenta a professora.

Diante da factualidade e relevância do tema, Giselle vinha trabalhando esse tema com seus alunos há anos. E admite ter ficado feliz quando viu o assunto abordado no exame. 

“Nos último anos, trabalhei o tema com todas as minhas turmas, do Ensino Fundamental ao Ensino Médio. Acho imprescindível desenvolver nos jovens a consciência crítica sobre o problema.  Foram textos, discussões, debates. Em algumas turmas houve até produção de vídeos, teatro e documentários, sempre com uma abordagem bem crítica. Acho importante a formação dessa consciência a respeito dos problemas sociais”, disse. 

Giselle, contudo, não foi feliz apenas nas atividades preparatórias desenvolvidas em sala. Na véspera da prova ela estava dando aula numa turma do 3º Ano e os alunos pediram que ela revisasse algumas sugestões de assuntos. “Ao citar a violência contra a mulher alguns ainda me questionaram se o assunto já não estava muito batido. Respondi que jamais seria um assunto batido numa sociedade que ainda se cala diante de tantos casos trágicos e cotidianos”, lembra, finalizando em seguida. 

“Tenho certeza que meus alunos tiveram muita tranquilidade e segurança ao se depararem com o tema, visto que estavam preparados para produzir uma boa argumentação”.