Professor da Ufes suspeito de racismo também é acusado de preconceito contra servidora

Geral

Professor da Ufes suspeito de racismo também é acusado de preconceito contra servidora

Professor da Ufes acusado de racismo já responde a um processo de preconceito contra uma servidora da universidade. O processado corre no TJ há quatro anos

Professor da Ufes acusado de economia Foto: Divulgação

O professor Manoel Luiz Malaguti do Departamento de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), acusado de racismo durante uma aula, já responde a outro processo de preconceito contra uma servidora da universidade. Segundo dados do Tribunal de Justiça, o professor foi processado há quatro anos.

A autora do processo, uma secretária do mesmo departamento de Malaguti, alega ter sido vítima de preconceito, desrespeito e maledicência. Segundo relatos da secretária, o professor estaria com dificuldades de lançar a pauta no sistema e foi aconselhado a procurar a pró-reitoria de graduação para resolver seu problema. Foi então que começaram os ataques pessoais e ofensas via email contra ela. 

A vítima do professor pediu uma indenização por danos morais por ter sido desrespeitada, humilhada e ofendida. Em 2012 a Justiça condenou Manoel Luiz Malaguti a pagar R$ 12 mil de indenização.

No entanto, ele recorreu e uma outra decisão foi tomada, e a Ufes fica obrigada a reter 30% do salário do professor todo o mês para que os danos morais fossem pagos. No site do Tribunal de Justiça (TJ) consta que o processo ainda está tramitando. O professor foi afastado das aulas do departamento de economia da Ufes, nesta quarta-feira (05).