França pede cláusula de mútua defesa para que países da UE forneçam suporte

Geral

França pede cláusula de mútua defesa para que países da UE forneçam suporte

Redação Folha Vitória

Paris - A França pediu nesta terça-feira uma "cláusula de mútua defesa" na União Europeia (UE) para exigir que seus parceiros forneçam suporte para suas operações contra o grupo Estado Islâmico no Iraque e na Síria, além de outras missões de segurança na sequência dos atentados em Paris.

O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, disse que os 27 parceiros da UE responderam positivamente. "Cada país tem dito que está pronto para ajudar", disse ele.

Falando em uma reunião de ministros de Defesa da UE, Le Drian destacou o fardo militar da França

na República Centro-Africana e no Líbano, além da necessidade de fornecer segurança nacional, enquanto o estado de emergência está em vigor.

Ele disse que os parceiros da UE poderiam ajudar "tomando parte das operações da França na Síria ou do Iraque, ou, aliviando a carga ou prestando apoio à França em outras operações".

"O que eu disse aos meus colegas é que a França não pode fazer tudo de uma vez", disse Le Drian. "Estamos em negociações muito estreitas com os nossos parceiros para fazer um balanço do que podemos fazer juntos. O que cada parceiro pode contribuir", acrescentou.

O artigo 42.7 do Tratado de Lisboa da UE afirma que, se um país membro "é vítima de agressão armada no seu território", outros membros têm que "auxiliar e dar assistência através de todos os meios que estiverem ao seu alcance".

A cláusula é semelhante, mas menos abrangente do que o artigo 5 da Otan, que designa um ataque contra um aliado como um ataque contra todos eles, e foi invocada pelos EUA após os ataques de 11 de setembro de 2001.

No entanto, a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, disse nesta terça-feira que "a França foi atacada e por isso a Europa toda tem sido atacada". Ela disse que muitos países da UE já ofereceram assistência material para a França na reunião desta terça-feira.

"Estamos em uma nova situação na Europa. Esta é o 11 de setembro da Europa", disse o ministro de Defesa da Grécia, Panagiotis Kammenos.

O ministro de Defesa da República Checa, Martin Stropnicky, disse que não espera nenhuma solicitação francesa para as tropas. "A França é um país grande e poderoso que tem as suas próprias capacidades para lidar com a situação por mais grave que seja", disse ele. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.