Lama de barragens não deverá causar enchentes, diz Serviço Geológico do Brasil

Geral

Lama de barragens não deverá causar enchentes, diz Serviço Geológico do Brasil

No Espírito Santo, os municípios de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, banhados pelo Rio Doce no Estado, já estão em alerta. As cidades devem suspender a captação de água

Área afetada pelo rompimento de barragem no distrito de Bento Rodrigues, zona rural de Mariana, em Minas Gerais Foto: Agência Brasil

A lama das barragens que se romperam em Minas Gerais não deverá causar enchentes no s municípios às margens do Rio Doce, segundo dados do boletim do Serviço Geológico do Brasil, divulgado na tarde deste sábado (07).

Confira o documento na íntegra!

De acordo com o documento, a previsão é que o pico da onda de cheia chegue nas estações de monitoramento de Colatina na próxima segunda-feira (09), e em Linhares na terça-feira (10).

Dados divulgados pelo Serviço Geológico do Brasil neste sábado

O boletim informa ainda que a onda de cheia passou pelo rio Gualaxo do Norte, rio do Carmo, e se desloca ao longo da calha do rio Doce, passando pela estação de monitoramento de Cachoeira dos Óculos, localizada no parque do rio Doce. Esta estação de monitoramento fica a 205km do distrito de Bento Rodrigues da cidade de Mariana, Minas Gerais.

No Espírito Santo, os municípios de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, banhados pelo Rio Doce no Estado, já estão em alerta.

Neste sábado (07), o governador Paulo Hartung anunciou as medidas que serão adotadas para diminuir os impactos da chegada da “onda de lama” ao Estado.

A primeira estratégia adotada pelo governo foi comunicar aos municípios de Baixo Guandu, Colatina e Linhares sobre o problema e agilizar a retirada dos moradores de localidades ribeirinhas ao Rio Doce.

O caso

Uma barragem de rejeito da empresa de mineração Samarco se rompeu na tarde desta quinta-feira (05), entre os municípios de Mariana e Ouro Preto, a cerca de 110 quilômetros de Belo Horizonte. A barragem de rejeito é uma estrutura para armazenar resíduos da mineração.

Pelo menos 128 residências foram atingidas pela onda de lama e dejetos na cidade.

Na manhã da última sexta-feira (06), moradores da cidade de Rio Doce, na Zona da Mata, foram surpreendidos pelo avanço dos rejeitos de minério de ferro no leito do rio.

Ainda na sexta-feira, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) divulgou alerta para os municípios de Colatina, Linhares e Baixo Guandu, localizados às margens do Rio Doce no Espírito Santo.