• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Obama adota tom mais ameno sobre corrupção e direitos humanos em visita à Ásia

Geral

Obama adota tom mais ameno sobre corrupção e direitos humanos em visita à Ásia

Kuala Lumpur - No sudeste da Ásia, o presidente Barack Obama adotou um tom mais suave sobre os temas direitos humanos e corrupção, em uma parte do mundo que é apontada por grupos e organizações como recorrente em abusos.

Advogados especialistas em governança pública dizem que os países da região precisam de receber estímulos e pressão de países desenvolvidos. Mas Obama, na maior parte do tempo, tem evitado desafiar líderes da região. Em vez disso, ele tem falado amplamente sobre a necessidade de transparência e de respeitar direitos universais.

Funcionários da Casa Branca dizem que Obama rotineiramente levanta a questão dos direitos humanos e as preocupações sobre responsabilidade sempre que ele se encontra com líderes estrangeiros, e que esta viagem para as Filipinas e Malásia não é exceção.

No entanto, mesmo que Obama esteja tocando no assunto, tem feito em reuniões privadas com os líderes, embora a história mostre que tais apelos diplomáticos são mais eficazes quando feitos de uma forma que coloque pressão pública sobre os políticos. Grupos de direitos humanos dizem que isso é especialmente verdadeiro na Ásia.

Na Malásia, onde o primeiro-ministro Najib Razak está sob investigação por um escândalo financeiro US$ 700 milhões, Obama manteve seus comentários limitados a um contexto mais geral, para tornar o governo "mais responsável, mais aberto, mais transparente, para erradicar a corrupção". Na parte pública do seu encontro com Najib, Obama evitou mencionar diretamente a repressão às liberdades de imprensa e a grupos de oposição, temas sobre os quais foi advertido por autoridades americanas.

Em uma reunião na prefeitura, quando uma jovem perguntou a Obama sobre as alegações de corrupção, o presidente disse que os EUA devem ser humildes, "porque houve momentos em que fizemos a coisa errada".

"Haverá ocasiões em que vou visitar países com os quais os Estados Unidos têm relacionamento e cooperação, mesmo que seu histórico de direitos humanos não seja bom", disse Obama. "Mas eu quero garantir que em todos esses encontros, sempre vou levantar estas questões".

Obama tem tentado manter o foco em promover o que ele chama de esforços bem-sucedidos para expandir os laços dos EUA com a Ásia, especificamente o pacto de comércio Trans-Pacífico. O acordo de livre comércio recentemente concluído aguarda ratificação pela Malásia, Estados Unidos e outros países que o assinaram.

Ao visitar um centro de refugiados na capital da Malásia, neste sábado, Obama lamentou a situação dos Rohingya, o grupo étnico muçulmano que tem enfrentado violência em Myanmar, país que tem recebido ajuda da administração Obama para sair de décadas de ditadura militar. Obama não mencionou que o líder da oposição Aung San Suu Kyi, um aliado de Obama cujo partido venceu nas eleições recentes, tem sido criticado por ignorar a perseguição aos Rohingya.

A discussão sobre direitos humanos estava ausente de comentários públicos de Obama em Manila, com o presidente filipino Benigno Aquino. Antes da visita de Obama, a organização Human Rights Watch disse que o governo de Aquino havia detido centenas de pessoas desabrigadas, sem encargos para limpar a cidade durante a visita de líderes mundiais.

A defesa mais direta Obama para a melhoria dos direitos humanos no Sudeste Asiático veio hoje, durante uma reunião com líderes da sociedade civil. A sessão em Kuala Lumpur, que teve participação de alguns dos críticos mais proeminentes de Najib, incluindo um ativista dos direitos dos homossexuais e um defensor dos direitos humanos que foi acusado este ano de organizar uma manifestação anti-governamental. Fonte: Associated Press