Forças iraquianas tomam mais um bairro de Mossul sob comando do Estado Islâmico

Geral

Forças iraquianas tomam mais um bairro de Mossul sob comando do Estado Islâmico

Redação Folha Vitória

Bagdá - As forças do Iraque conquistaram o bairro de al-Zahra, localizado no subúrbio de Mossul, cidade do norte do país que está sob comando do Estado Islâmico há mais de dois anos. As informações das tropas são de que 90% do distrito está, agora, sob controle das forças governamentais iraquianas, informou a BBC.

Combatentes do Estado Islâmico têm enviado carros e caminhões cheios de explosivos para ataques às linhas de frente das forças iraquianas. A resposta do governo do Iraque a esses ataques são mísseis antitanque russos montados sobre Humvees americanos. Esses mísseis Kornet ajudaram a limpar o caminho para o exército iraquiano em Mossul, último grande reduto do Estado Islâmico no país.

Em al-Zahra, antigamente conhecido como o distrito de Saddam Hussein, um ataque aéreo foi ordenado para destruir posições dos jihadistas. "O inimigo está usando snipers, carros-bombas e mísseis direcionados", explicou o Tenente General Abdel-Wahab Al-Saadi. Em Karama, bairro ao sul de al-Zahra, a resistência do Estado Islâmico foi tão forte que as forças iraquianas que tentavam reconquistar a área tiveram que recuar parcialmente. Uma autoridade afirmou que "havia um grande número de jihadistas. Era preferível recuar e pensar um novo plano". As forças do governo também dizem ter tomado o controle do bairro de Intisar nesta sexta-feira.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que o Estado Islâmico executou cerca de 50 de seus próprios integrantes por deserção na última segunda-feira e que 180 funcionários do governo podem ter sido mortos pelo grupo. A porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos (UNHCR, na sigla em inglês) disse que mais de mil civis foram retirados da cidade de Hamam al-Alil para Tal Afar, possivelmente para serem usados como escudos humanos, e que famílias em Hamam al-Alil foram aconselhadas pelo Estado Islâmico a entregar crianças, especialmente meninos acima dos nove anos, em uma aparente tentativa de recrutá-las como soldados.

Um contingente de 200 mulheres curdas-iranianas se juntaram à luta contra o Estado Islâmico na região de Mossul. Elas se tornaram parte de uma unidade de cerca de 600 soldados alinhados ao Partido da Liberdade do Curdistão.

A ONU afirma que há evidências crescentes de que o Estado Islâmico estaria cometendo vários tipos de atrocidade dentro ao redor de Mossul. A estimativa é de que 1,5 milhão de civis ainda vivam na cidade, mesmo com relatos de assassinatos em massa e uso de pessoas como escudos humanos por parte do grupo terrorista. No dia 17 de outubro, o governo iraquiano e as forças curdas iniciaram uma ofensiva junto aos Estados Unidos para expulsar o Estado Islâmico da região.