China diz estar "seriamente preocupada" com teste de míssil da Coreia do Norte

Geral

China diz estar "seriamente preocupada" com teste de míssil da Coreia do Norte

Redação Folha Vitória

Pequim - O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que o país está "seriamente preocupado e é contrário" ao mais recente lançamento de míssil da Coreia do Norte. Porta-voz da pasta, Geng Shuang disse nesta quarta-feira que Pequim "pede fortemente" que Pyongyang respeite as resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas e pare com ações que possam provocar uma escalada nas tensões.

Geng disse a repórteres na entrevista coletiva diária que todas as partes devem agir com cautela e salvaguardar conjuntamente a paz e a estabilidade regional. A China é o mais importante aliado da Coreia do Norte e sua principal fonte de comércio e ajuda humanitária, mas apoiou as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e espera convencer Pyongyang a retornar ao diálogo.

A China pediu que o aliado interrompa os testes de mísseis e suas atividades nucleares. Em troca, os chineses esperam que os EUA e a Coreia do Sul suspendam exercícios militares na região. A China rejeita, porém, medidas que possam desestabilizar o regime de Kim Jong Un e diz que o uso da força militar não pode ser uma opção para lidar com as tensões.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, conversou com o premiê japonês, Shinzo Abe, sobre o teste de míssil norte-coreano e se comprometeu a unir esforços para fortalecer as sanções e a pressão sobre o regime norte-coreano. Os dois líderes concordaram que a expansão do programa nuclear de Pyongyang não deve ser tolerada, de acordo com o escritório da presidência sul-coreana. O governo das Filipinas também se mostrou preocupado com o teste.

A Rússia, por sua vez, disse que o mais recentes teste é uma provocação, que dificulta uma saída para a crise. Porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov pediu que todas as partes envolvidas mantenham a calma para evitar o pior cenário, mas condenou o teste como "uma ação provocativa que fomenta tensões".

O ministro das Relações Exteriores alemão, Sigmar Gabriel, condenou fortemente o teste. Fonte: Associated Press.