Presidente do Líbano acusa Arábia Saudita de manter primeiro ministro detido

Geral

Presidente do Líbano acusa Arábia Saudita de manter primeiro ministro detido

Redação Folha Vitória

Beirute - O presidente do Líbano, Michel Aoun, acusou nesta quarta-feira a Arábia Saudita de ter detido o primeiro ministro de seu país, em uma escalada da crise que se seguiu à renúncia surpresa de Saad Hariri, cerca de duas semanas atrás. Aoun disse em sua conta oficial no Twitter que nada justifica o fracasso de Hariri em voltar para casa, 12 dias depois de renunciar. "Nós o consideramos detido", em violação às leis internacionais, disse Aoun.

Foi a primeira vez que o presidente libanês descreveu Hariri como detido. Ele anteriormente apenas questionou as circunstâncias "misteriosas" sob as quais Hariri renunciou. Aoun recusou-se a reconhecer a renúncia de Hariri e o governo libanês prosseguiu de uma forma comercial como de costume.

Em uma rápida reação aos comentários de Aoun, Hariri twittou que estava bem e retornará ao Líbano como prometido. "Você vai ver", disse Hariri sem dar um prazo para o seu retorno.

Também nesta quarta-feira, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a Arábia Saudita supostamente pressionou Hariri a renunciar em uma "rara" forma de intervenção nos assuntos de outro país. Rouhani também acusou a Arábia Saudita, sem nomear o reino, de "implorar" a Israel que bombardeie o Líbano.

Hassan Nasrallah, líder do grupo Hezbollah apoiado pelo Irã, fez a mesma acusação. O Hezbollah é um rival de Hariri e está no centro da crise no Líbano. A Arábia Saudita apoia Hariri, um sunita de nacionalidade dupla saudita-libanês.

"Quem é você para fazer isso, confiando em qual poder? Até que ponto você acha (o seu) pode ganhar dinheiro?", disse Rouhani, durante uma reunião do gabinete, em perguntas dirigidas à Arábia Saudita.

Os comentários do Líbano e do Irã talvez sejam uma tentativa de fazer com que Hariri volte ao país, mas também refletem uma escalada que pode aprofundar a crise.

Muitos acreditam que a decisão de Hariri foi ditada pela Arábia Saudita em meio a uma disputa com o Irã sobre a influência na região. O Irã apoia o principal rival de Hariri no Líbano, o grupo militante Hezbollah, que também é parceiro do governo de coalizão de Hariri.

Fonte: Associated Press