Escolas fechadas: "estamos cumprindo a decisão do governo do ES, mas discordando"; diz presidente do Sinepe

Geral

Escolas fechadas: "estamos cumprindo a decisão do governo do ES, mas discordando"; diz presidente do Sinepe

Para Moacir Lellis, as crianças estão mais protegidas nas escolas do que em casa

Marlon Max

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação

As aulas presenciais de escolas públicas e particulares de cinco municípios do Espírito Santo estão suspensas temporariamente. A determinação passou a valer a partir desta segunda-feira (23). O presidente do Sindicato das Escolas Particulares garantiu que a decisão foi acatada.

Em entrevista ao Folha Vitória o presidente do Sinepe — que representa as escolas particulares, Moacir Lellis, expressou descontentamento com a medida imposta pelo Governo do Espírito Santo, na última sexta-feira (20).

“Nós ficamos estarrecidos com esse decreto do Governo do estado, mas o governador é autoridade máxima do Estado e nós somos legalistas, então estamos cumprindo mas discordando da decisão dele e da equipe dele, porque não tem nexo”, desabafou.

Para Moacir Lellis, as quase 250 escolas amparadas pelo sindicato foram adequadas para que o risco de contaminação pelo novo coronavírus seja perto de zero. “O protocolo que foi adotado aqui no estado é o mais rígido que eu conheço”, disse.

Foto: Reprodução/Facebook

Na semana passada, também em entrevista ao Folha Vitória, o secretário explicou que as escolas destes municípios não estão sendo fechadas por serem consideradas inseguras.

"Estamos adotando esses critérios desde o retorno das atividades presenciais. Aconteceu em municípios do interior do Estado e agora acontece em alguns aqui da região metropolitana. Ressalto que não estamos fechando as escolas por considerarmos ambientes perigosos, mas como já estávamos adotando estes critérios antes, mudar agora implicaria uma série de outros fatores e não fazia sentido, principalmente restando poucas semanas para as aulas terminarem", explicou Vitor.

Nova Reunião

Foto: Divulgação

Na terça feira (24), o governo do Estado vai se reunir, às 17h, com o Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Estado do Espírito Santo, além do Sinpro-ES, Sindiupes, Sindipúblicos e Ministério Público, para discutir sobre a suspensão das aulas presenciais em municípios classificados como Risco Moderado para a transmissão do novo coronavírus.

No novo Mapa de Risco, divulgado pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, na última sexta-feira, os municípios de Vitória, Cariacica, Viana, Ecoporanga e Barra de São Francisco, saem do Risco Baixo para o Moderado, o que, de acordo com regra atual, impede a realização de atividades presenciais nas instituições de ensino da educação básica.

Segundo os protocolos sanitários estabelecidos pelas secretarias de Saúde e de Educação, as aulas presenciais estão autorizadas apenas em municípios de Risco Baixo.