China diz que Trump deve respeitar política da China única ou pode afetar paz

Geral

China diz que Trump deve respeitar política da China única ou pode afetar paz

Redação Folha Vitória

Pequim - Qualquer mudança na política dos Estados Unidos que signifique o reconhecimento formal de Taiwan irá prejudicar "seriamente" a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan e ainda minará as relações entre Pequim e Washington, afirmou um porta-voz do governo da China nesta quarta-feira. O porta-voz chinês, An Fengshan, disse que a violação ao princípio "afetará seriamente a estabilidade ao longo do Estreito de Taiwan".

No âmbito da política da China única, os EUA reconhecem Pequim como o governo da China e mantêm apenas relações extraoficiais com Taiwan, uma ex-colônia japonesa que rompeu com a China continental em meio a uma guerra civil em 1949. Pequim a considera, porém, parte de seus domínios. "A política da China única é uma fundação política importante para as relações entre a China e os EUA", disse o porta-voz a repórteres. "Se essa fundação foi perturbada ou minada, não pode haver diálogo para o desenvolvimento saudável e estável das relações EUA-China."

Trump quebrou um precedente diplomático ao falar por telefone com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em 2 de dezembro. Há alguns dias, Trump disse em entrevista à rede Fox que poderia usar o reconhecimento dos EUA de Pequim como a China única para ganhar vantagens no comércio em outras áreas.

A última grande crise sobre Taiwan ocorreu em 1995, quando a China realizou exercícios militares e testes de mísseis perto da ilha, em resposta à visita do então presidente Lee Teng-hui de Taiwan aos EUA. Lee, porém, acabou vencendo a primeira eleição presidencial direta na ilha, em 1996.

Os EUA e a China são as duas maiores economias mundiais, com um comércio bilateral de bens e serviços que atingiu quase US$ 660 bilhões no ano passado.

Embora os EUA não desafiem a reivindicação chinesa de soberania sobre Tailândia, Washington continua a ser a principal fonte de armas para Taiwan, com US$ 14 bilhões em vendas de armas aprovadas desde 2009. Há ainda uma lei nos EUA que considera ameaças à segurança da ilha uma questão de "grave preocupação". Fonte: Associated Press.