Número de mortos em ataque com caminhão em Berlim sobe para 12, diz polícia

Geral

Número de mortos em ataque com caminhão em Berlim sobe para 12, diz polícia

Redação Folha Vitória

São Paulo - A polícia de Berlim afirmou hoje que o número de pessoas mortas no ataque com caminhão em um mercado de natal na capital alemã subiu para 12 e que outras 50 pessoas ficaram feridas. Ainda não há informações sobre se se trata de um ataque terrorista semelhante ao que aconteceu em Nice (França) há um ano e meio.

Nesta segunda-feira, a polícia alemã pediu que a população permaneça em casa, após um caminhão de forma "deliberada" invadir um mercado de Natal em Berlim, à oeste da Alemanha, o Breitscheidplatz.

Os mercados de Natal são uma tradição em toda a Europa e atraem milhares de turistas todos os anos em vários países. Em Londres, há mais de 20 grandes eventos desse tipo espalhados por toda a cidade.

Assim como ocorreu em Nice, na França, há pouco mais de um ano, um caminhão invadiu um local lotado, atropelando pessoas e barracas.

Entres os mortos estava um passageiro do caminhão, que faleceu enquanto era atendido por paramédicos, segundo o porta-voz da polícia de Berlim, Winfried Wenzel. A polícia disse mais tarde que o homem era polonês, mas não deu detalhes sobre quem ele era ou o que aconteceu a ele.

Um suspeito de ser o condutor do ataque foi levado para cerca de dois quilômetros de distância do local do incidente e foi interrogado, de acordo com Wenzel. O caminhão foi registrado na Polônia e a polícia disse que acredita que ele pode ter roubado o caminhão de uma construção nas comunidades.

O proprietário polonês do caminhão disse que temia que o veículo, que estava sendo conduzido por seu primo, talvez pudesse ter sido sequestrado. Ariel Zurawski disse que a última vez que falou com o motorista foi por volta da tarde desta segunda-feira, e ele teria dito que estava em Berlim e que deveria descarregar o caminhão na manhã desta terça-feira. "Eles devem ter feito alguma coisa com o meu motorista", disse o polonês à TVN24. (Matheus Maderal, com informações da Dow Jones Newswires e da Associated Press - [email protected])