• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Mais de 300 pessoas continuam fora de casa após fortes chuvas que atingiram o ES

CHUVA NO ESPÍRITO SANTO

Geral

Mais de 300 pessoas continuam fora de casa após fortes chuvas que atingiram o ES

Os municípios da Serra, Anchieta e Aracruz não possuem mais desalojados ou desabrigados em razão das chuvas

Foto: Divulgação/ Prefeitura de Vitória/ Diego Alves

Ainda é grande o número de pessoas fora de suas casas no Espírito Santo em decorrência das fortes chuvas que atingiram o estado no mês de novembro. De acordo com os  municípios capixabas, esse número ainda é superior a 300 pessoas. 

Em Santa Leopoldina, um dos municípios mais afetados pela chuva, ainda há 12 desabrigados. Além disso, 328 moradores da cidade permanecem fora de suas casas, devido a estragos provocados por alagamentos e deslizamentos. De acordo com a prefeitura do município, os desabrigados estão em casas de familiares e três famílias permanecem em um abrigo, localizado no centro de referência de assistência social (Cras). Todas as famílias que estão fora de casa continuam recebendo doações de cestas básicas, água potável, produtos de higiene pessoal e limpeza, além de roupas de cama e colchões.

Em Vitória, 30 pessoas ainda estão desalojadas em decorrência das chuvas. Em Cariacica,  não há registro de desabrigados, e o número de desalojados é de 42 pessoas.  O município também informou que nove famílias foram incluídas no aluguel social e as demais foram para casas de parentes. Em Viana, 12 famílias ainda permanecem desalojadas. 

Os municípios da Serra, Anchieta e Aracruz, não possuem mais nenhum desabrigado ou desalojado em razão das chuvas. Até o fechamento da matéria, não obtivemos o retorno da prefeitura de Domingos Martins. Já o município de Alegre não informou o número exato de desalojados. 

Diferença entre desalojado e desabrigado

Segundo o Ministério da Integração Nacional, o desalojado é a pessoa que foi obrigada a abandonar temporária ou definitivamente sua habitação, em função de evacuações preventivas, destruição ou avaria grave, decorrentes do desastre, e que, não necessariamente, carece de abrigo provido pelo Estado. 

Já o desabrigado teve a habitação afetada por dano ou ameaça de dano. Com isso, necessita de abrigo provido pelo governo.