Após acordo com sindicato, máquinas da prefeitura fazem o recolhimento de lixo acumulado em usina de Vitória

Geral

Após acordo com sindicato, máquinas da prefeitura fazem o recolhimento de lixo acumulado em usina de Vitória

Os resíduos estão acumulados no local desde o início da greve dos motoristas de caminhões de lixo; moradores da região acabam sofrendo com o mau cheiro, aparecimento de animais, além de temerem o risco de doenças

Foto: Lucas Pisa/TV Vitória

A greve dos motoristas de caminhões de lixo já se arrasta por oito dias e montanhas de resíduos se acumulam em vários bairros da região metropolitana do Estado. 

Para tentar melhorar a coleta durante o período de paralisação, a Central de Serviços de Vitória, fez um acordo com os grevistas, e conseguiu liberar oito caminhões compactadores para recolher resíduos em toda a capital e seis carretas para limpar a Unidade de Transbordo, em Resistência, na segunda-feira (30).

O lixo na usina de Resistência está acumulado desde o início da greve e moradores da região acabam sofrendo com o mau cheiro, aparecimento de animais, além de temerem o risco de doenças.

Para evitar o acúmulo de lixo na Unidade de Transbordo, os caminhões da prefeitura fizeram a coleta em toda a cidade e seguiram diretamente para a empresa que faz o tratamento dos resíduos, situada em Cariacica. Durantes os trabalhos, também foram utilizados uma pá carregadeira, uma caçamba, um caminhão simples e um caminhão Munck.

Foto: Divulgação
Com motoristas de caminhões de lixo em greve, máquinas da prefeitura fazem coleta de resíduos 

"Estamos colocando nossos equipamentos e caminhões à disposição da sociedade para evitar transtornos ainda maiores em meio à pandemia do novo coronavírus, por causa da greve dos motoristas dos caminhões de coleta de lixo. A greve é um direito constitucional, mas que precisa ser exercido dentro dos limites legais. Lamentamos, pois toda a população tem direito à saúde, salubridade, condição digna de vida e saúde, ainda mais nesse momento delicado mundial", pontuou o secretário da Central de Serviços, Marcos Aranda.

Sobre a coleta seletiva, o município informou que as associações de catadores cadastradas na prefeitura foram autorizadas a realizar o recolhimento dos resíduos diretamente nos condomínios.

Grevistas foram parar na delegacia

Na segunda-feira (30), a Justiça determinou que os sindicalistas fossem conduzidos a uma delegacia, para esclarecer o motivo do não cumprimento da decisão, da semana passada, de manter 70% dos serviços funcionando. Na decisão, a Justiça também aplicou multa diária de 5 mil reais, a contar de 12 de novembro em diante, para cada dia de descumprimento.

Os sindicalistas alegam que a decisão está sendo cumprida, mas o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES) afirma que a medida está sendo ignorada, e por isso, mandou conduzir os representantes do sindicato até a delegacia. 

Os motoristas pedem 4,7% de reajuste, e as empresas oferecem 2,4%. O salário atual deles varia de 2.100 a 2.700 reais. Porém, o impasse continua. A paralisação teve início no final de novembro e chegou a ser suspensa por conta do primeiro turno das eleições municipais, mas foi retomada no último dia 23 de novembro.

A produção de jornalismo da Rede Vitória entrou em contato com o Sindirodoviários (que responde pela greve dos motoristas de caminhão de lixo), que afirmou ainda não ter conhecimento da medida judicial e negou que está descumprindo a determinação de manter os 70% dos serviços.

* Com informações do repórter Alex Pandini, da TV Vitória / Record TV e Prefeitura de Vitória