Covid-19: parceria do governo do ES com laboratórios particulares possibilitará exames gratuitos

CORONAVÍRUS

Geral

Covid-19: parceria do governo do ES com laboratórios particulares possibilitará exames gratuitos

Com a ação, Secretaria Estadual de Saúde espera que os esses laboratórios possam absorver a crescente demanda por testes no estado

Foto: Agustin Marcarian

Definida como uma das cinco estratégias que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) adotará para aumentar a testagem de covid-19 na população capixaba, a parceria do governo estadual com laboratórios particulares possibilitará que o cidadão realize gratuitamente, nesses locais, os testes que detectam a presença do novo coronavírus. Nese caso, os testes serão bancados pelo governo do Estado, nos laboratórios que forem credenciados.

Atualmente, o teste RT-PCR, que detecta se a pessoa está com o coronavírus ativo no organismo, custa na rede particular R$ 385, em média. Já os testes sorológicos, que identificam se a pessoa já teve contato com o vírus e se possui anticorpos, custa de R$ 100 a R$ 295.

Com essa ação, o que a Secretaria Estadual de Saúde espera é que os laboratórios particulares possam absorver a crescente demanda por testes no estado. Em entrevista coletiva realizada na tarde de segunda-feira (30), o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, ressaltou que os preços dos exames para o governo estadual ainda serão divulgados.

"Iremos credenciar os laboratórios da rede privada, em todo o Estado do Espírito Santo, que queiram vender o exame a um preço fixo, que será publicado na tabela SUS capixaba", disse o secretário, na ocasião.

Além do credenciamento dos testes na rede particular, a Sesa anunciou outras quatro estratégias para ampliar a testagem de covid-19 na população: aumentar a capacidade do Laboratório Central do Estado (Lacen-ES) para 3 mil testes por dia; compra de 100 mil testes de antígenos, que identificam a doença a partir do terceiro dia de sintomas; recebimento de 100 mil testes sorológicos, doados pela Organização Pan-americana de Saúde; e envio de amostras para o Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, quando o Estado não conseguir dar conta da demanda.

De acordo com o farmacêutico bioquímico Jorge Luiz Terrão, os laboratórios estão se preparando para receber mais gente. "Conseguimos ampliar em pelo menos 30% a 40%, talvez 50% daquilo que o Estado vai fazer ou já vem fazendo", afirmou.

Para o especialista em microbiologia, Luiz Almeida, a testagem em massa da população é importante para as autoridades de saúde identificarem onde há mais casos covid-19. "É importante fazer essa vigilância epidemiológica, como a gente chama. Detectou algum caso em um lugar, aumenta a testagem na população daquele lugar. Essa testagem e o resultado rápido fazem com que a pessoa tome consciência e fale: 'estou com o vírus, então vou ficar em casa. Mesmo sem sintomas, eu preciso ficar em casa para proteger o resto da população'", destacou.

Com informações do repórter Lucas Pisa, da TV Vitória/Record TV