Desembargador entra com ação contra professor da Ufes acusado de racismo

Geral

Desembargador entra com ação contra professor da Ufes acusado de racismo

De acordo com denúncias, enquanto lecionava aos alunos do segundo período de Ciências Sociais, o professor teria externado posicionamento contrário ao sistema de cotas implantado na Ufes

O desembargador afirma que as supostas declarações do professor da Ufes foram preconceituosas. Foto: Divulgação

O desembargador Willian Silva ofereceu representação criminal ao Ministério Público Federal na tarde desta terça-feira (4), contra o professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) que, nesta segunda-feira (3), segundo os alunos, teria adotado discurso preconceituoso em relação aos negros. Nesta quarta-feira, alunos também prometem fazer protesto contra o educador

De acordo com denúncias, enquanto lecionava aos alunos do segundo período de Ciências Sociais, o professor teria externado posicionamento contrário ao sistema de cotas implantado na Ufes e que, atualmente, como consta na representação criminal oferecida pelo desembargador, é previsto em lei federal até mesmo no serviço público.
 
Em sua representação criminal, o desembargador afirma não haver problema em posicionar-se desfavoravelmente ao sistema de cotas. "Ocorre que, afastando-se das críticas pessoais construtivas que se espera de um professor - e que, nessa condição, deveriam inclusive ser respeitadas -, o representado adotou discurso evidentemente preconceituoso em relação aos alunos negros, destacando a necessidade de utilizar linguagem mais acessível e baixar o nível do ensino para que tais discentes pudessem acompanhar suas aulas", frisou.
 
O desembargador ainda destacou na representação que o professor teria afirmado que "detestaria ser atendido por um médico ou advogado negro". "Sinto-me com a dignidade e o decoro ofendidos na condição de jurista negro, proveniente de família pobre, advogado atuante por vários anos antes do ingresso na carreira da magistratura, e hoje o primeiro desembargador negro capixaba", destacou o desembargador, que afirma ainda que a conduta praticada pelo professor amolda-se ao crime de injúria.