Confusão e tudo parado: Terminal de Itaparica continua fechado em Vila Velha

Geral

Confusão e tudo parado: Terminal de Itaparica continua fechado em Vila Velha

Nova paralisação foi realizada, na tarde desta sexta-feira (05), no Terminal de Itaparica, em Vila Velha. Revoltados, usuários do sistema coletivo interditaram a Rodovia Darly Santos

Os rodoviários estariam protestando contra demissões Foto: Adolane Moraes Alvarenga/WhatsApp Folha Vitória

Uma nova paralisação de rodoviários complicou a vida de usuários de ônibus do sistema Transcol, no bairro Itaparica, em Vila Velha, no início da tarde desta sexta-feira (5). Esta é a segunda paralisação no terminal em menos de uma semana.

Leitores do jornal online Folha Vitória relatam que os ônibus não saem do terminal rodoviário. Usuários e moradores da região também protestam e fecharam a Rodovia Darly Santos, via adjacente ao terminal.

Paralisação surpresa teve confusão com usuários Foto: Adolane Moraes Alvarenga/WhatsApp Folha Vitória

O presidente do Sindicato dos Rodoviários do Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários-ES), Carlos Roberto Louzada, disse que o protesto não tem ligação com o sindicato e que a paralisação seria contra supostas demissões, por justa causa, devido a última paralisação, na quarta-feira (3).

Segundo o diretor Sindirodoviários-ES, Silvio Carlos, quatro funcionários teriam sido demitidos devido à última paralisação surpresa. Silvio diz que não concorda com o protesto e que os colaboradores deveriam buscar medidas judiciais.

O edital da greve foi publicado na última quinta-feira (4), pelo sindicato. Os rodoviários rejeitaram a proposta do sindicato patronal de reajuste salarial oferecida pelo sindicato patronal e aprovaram a paralisação. Entre as reivindicações, os rodoviários pedem reajuste de 20% no salário e aumento de R$ 4 no valor do tíquete-alimentação. Na grande Vitória, um motorista recebe R$ 1.675,56 e um cobrador, R$ 871,33.

O edital informava que apenas 30% da frota circularia na Grande Vitória enquanto durasse a greve. Porém, uma decisão da Justiça alterou a quantidade da frota que irá circular no período de greve. O desembargador José Luiz Serafini determinou que 70% da frota deve circular nos horários de pico, das 6 horas até as 9 horas, e de 17 horas às 20 horas. No restante do dia a frota deverá circular com 40% de coletivos. O desembargador ainda afixou uma multa diária de R$ 30 mil para o caso de descumprimento da ordem.

A Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV), lamentou a paralisação. "Nós lamentamos essa atitude dos rodoviários, porque foge completamente tudo o que foi discutido e negociado junto à Justiça do Trabalho. O direito de greve é repeitado e respeitado, mas o direito de ir e vir do cidadão também deve ser respeitado", diz a diretora de operações da Ceturb-GV, Rosane Giubert.

Rosane completou dizendo que a Ceturb-GV deve entrar com uma ação judicial contra os rodoviários. "A Ceturb vai entrar com uma ação contra o sindicato sobre qualquer situação que fuja a legalidade e que interfira no funcionamento do transporte", completa.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) informou que repudia qualquer paralisação promovida pelos rodoviários em descumprimento à lei de greve. A Viação Praia Sol Ltda e Vereda Transporte Ltda esclarecem que cumpre as medidas administrativas e legais e demitiram, por justa causa, quatro profissionais que participaram das paralisações ocorridas na última quarta-feira (3), em que terminais foram fechados e ônibus deixaram de circular.