Ufes conclui processo administrativo contra professor acusado de racismo

Geral

Ufes conclui processo administrativo contra professor acusado de racismo

Relatório final elaborado pela comissão de inquérito será entregue ao reitor Reinaldo Centoducatte para julgamento. A partir da decisão, o professor será notificado

Professor teria feito comentários racistas na sala de aula Foto: Reprodução Facebook

É esperada para a próxima semana a entrega do relatório final do processo administrativo disciplinar aberto contra o professor Manoel Luiz Malaguti Barcelos Pancinha, acusado de racismo por estudantes de Ciências Sociais, por supostamente ter feito comentários em sala de aula sobre a política de cotas adotadas nas universidades federais.

O relatório final elaborado pela comissão de inquérito será entregue ao reitor Reinaldo Centoducatte para julgamento. A partir da decisão, o professor será notificado, o que está previsto para ocorrer na próxima semana.

O fato ocorreu no dia 3 de novembro do ano passado, durante uma aula do curso de Ciências Sociais, quando em uma discussão sobre a política de cotas, o professor teria feito comentários racistas.

A partir da formalização da denúncia, a Ufes afastou o professor do exercício de sua função e instituiu uma Comissão de Sindicância para, num período de 30 dias, colher os depoimentos dos envolvidos e elaborar um relatório sobre a conduta do docente.

De acordo com os relatos de alunos, o professor teria se dirigido a universitários cotistas e dito que “detestaria ser atendido por um médico negro ou advogado negro” e que o nível intelectual da Ufes reduziu-se com a presença de negros cotistas. 

Ainda dentro de declarações polêmicas do docente, ele teria dito que o nível na Ufes tenha caído ao nível do ensino médio por considerar os alunos cotisas “semianalfabetos”.

Diante de toda a polêmica, a Ufes abriu o processo administrativo para que fosse investigada a conduta do professor. O professor voltou a dar aula e enfrentou protesto de alunos.

De acordo com a assessoria da Universidade, o processo é sigiloso e o resultado da investigação deverá ser comunicada primeiramente ao professor. Só depois que o assunto poderia ser divulgado na imprensa.